Mozilla hackathon l10n 2016

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Nos dias 20 e 21 de fevereiro aconteceu em Belo Horizonte o hackathon 2016 de localização da Mozilla Brasil. Esta edição foi muito show, tivemos mais pessoas, tivemos bastante atividades, várias metas e decisões, enfim evento muito produtivo.

Das novidades desse ano tivemos várias pessoas que não estavam no ano passado, alias, do ano passado acho que só estávamos eu e mais duas pessoas, isso é bom, o time está crescendo e novas pessoas estão ativas. Conheci pessoas bastante legais, Diego de SP, Wolfgang de Manaus, André de Curitiba, o Axel da Alemanha e o rock star Oeusten de lá de BH e revi amigos de outras ocasiões, o Reuben de BH, e o Waters, o Fábio do Rio Grande do Sul tchê além do Jeff dos EUA.

A encontro teve vários focos, melhorar a qualidade das nossas contribuições, definir as estratégias de trabalho, discussões de como fazer um trabalho melhor, criação de um glossário para nivelar as traduções e muito mais, o melhor disso é que as decisões foram tomadas horizontalmente num papel de construção que envolveu todos os presentes.

Ao final ainda sobrou bastante tempo para socializar e tomar aquela gelada com os amigos.

unspecifiedSaí com a certeza que nosso trabalho voluntário é muito importante na nossa luta por uma internet aberta, de qualidade e voltada para as necessidades das pessoas. Enquanto puder estarei trabalhando para essa causa.

Ficarei devendo uma imagem com o tão famoso Oeusten…

Sobre TypeScript, JS e flamewars

por André Garzia

Recentemente li um artigo no tableless sobre TypeScript chamado Diga olá ao TypeScript e adeus ao JavaScript e fiquei meio noiado tanto com o que estava escrito quanto com os comentários que eu li sobre a peça.

Eu, assim como o autor do artigo, também sou super fã de TypeScript e acho uma iniciativa mega legal da Microsoft. A linguagem começou a ficar mais famosa aqui no Brasil ao ser adotada pelos desenvolvedores do Angular 2 e assim como tudo mais que acontece no nosso país esse assunto virou briga de torcida organizada onde algumas pessoas parecem acreditar que para gostar de TypeScript é necessário não gostar de JS e vice versa, isso não faz sentido nenhum. Existem vários pontos no artigo e nos comentários que são más interpretações do JS e seu ecosistema. Pretendo falar a respeito de alguns desses pontos.

Qual foi do FUD com JS?!

Para começar o título do artigo: Diga olá ao TypeScript e adeus ao JavaScript é digno do buzzfeed. JS não está indo embora para lugar nenhum, alias como já falava ~Chesus~ o Jaydson, JS tá em todos os lugares. Todo computador, seja desktop ou laptop, possui um browser e roda javascript. Todo smartphone possui um navegador e um engine de JS. Todos os smartwatches rodam JS. As televisões modernas (webOS, Tizen, Android TV, Firefox OS) rodam JS. O PS3, XBox, PS4, Wii e Wii U rodam JS. Um zilhão de placas de IoT rodam JS. JavaScript não está indo embora para lugar nenhum.

Bom, você conhece um código javascript minificado+comprimido+”esculachado” - o autor do artigo

Minificado e comprimido nada tem a ver com JS para começar. Você tem compressores e minificadores de código para tudo que é linguagem. Os minificadores e compressores de JS ficaram famosos pois são úteis. Eles reduzem a largura de banda necessária para transferir o código para sua máquina. Isso minifica os problemas de latência entre o inicio do request e a execução do código.

Esculachado?! Estamos na quinta série agora?! Da onde saiu isso? Eu sei que está ali em uma tentativa de alívio cômico ou de se auto afirmar através da diminuição da tecnologia alheia mas por favor né, se é para criticar JavaScript existem formas mais úteis que esculachado. Existem códigos em JS tão bem escritos que dá vontade de emoldurar na parede, da mesma forma que existe lambança em tudo que é linguagem.

... aquele código “malucão” em JavaScript ... - o autor do artigo

Único comentário, a maluquice de uns é a sabedoria dos outros.

Incompreensões sobre JS e tipos

"felizmente chegamos ao ponto que podemos tratar o javascript como uma linguagem tipada e semelhante ao c/java/php e derivados." - o autor do artigo

Repitam comigo: Sintaxe é diferente de semântica! Sintaxe é diferente de semântica!. Não confundir anotação de tipo com uma CPU ou VM que suporta semântica de tipo. O artigo demonstra super bem a utilização de tipos em TypeScript porém se equivoca quando fala de tipos em JS e de tipos em geral. As pessoas não colocam anotações de tipo por que acham bonito. Em linguagens como C, elas colocam por duas razões:

  • a estrutura do código compilado utilizado pela CPU faz com que seja necessário saber o tipo das coisas afinal o código não é interpretado e existem espaços e rotinas diferentes no microcódigo da CPU e seus mecanismos auxiliares para lidar com os diferentes tipos.
  • Pra dar erro!!!! Sério, a função secundária de se colocar tipo nas coisas é pra dar merda. Você (o dev) quer que o compilador exploda na sua cara caso uma variável ou função receba um tipo diferente daquele que foi anotado. O código anotado garante em tempo de compilação (nas linguagens corretas) que as variáveis e funções estão recebendo os valores teoricamente corretos e portanto seu app tem chances menores de bugs em tempo de execução.

O lance que o TypeScript possui anotações de tipo e o compilador verifica essas anotações na hora da transpilação para JS assim diminuindo a superficie de contato onde seus bugs germinarão. Mas o código ainda assim irá rodar em uma VM onde os tipos são inferidos em tempo de execução pois JS não é uma linguagem tipificada (em tempo de compilação).

Alias, o autor nem fala de asm.js que é um subset de JS super otimizado, com garantia de certos tipos, que permite inclusive que esse subconjunto de JS execute sem as pausas coleção de lixo aleatórias assim atingindo performances incríveis. Se é pra falar de tipos em JS então tem que falar de asm.js e Typed ArrayBuffers.

Não entender herança em JS

JS sofre do mal do sucesso e da fama. A Web atrai startups, empresas e um ecosistema gigante de desenvolvedores que se formaram em outras escolas que não a do JS e seus semelhantes. Essas pessoas aprendem Orientação a Objetos em Java e C++ e acham que a vida é assim. Elas não entendem que a herança em JS não é OOP mas sim herança prototípica.

Herança Prototípica OOP
SELF SmallTalk
NewtonScript C++ (jokes)
Io Objective-C
REBOL Java
Lua Python
JS Ruby

As pessoas acham que pra ter objetos é necessário ter classe, instância, mixins, métodos públicos, privados, protegidos e toda uma bagagem que elas aprendem com Java/C++ mas nada disso se aplica a semântica da herança prototípica de JS. É um caso de não entendi e não quero entender que vemos todo santo dia. Toda vez que um desenvolvedor faz uma framework para macetar OOP em JS um golfinho cai dentro uma closure e nunca mais é visto.

Por exemplo, o autor cita esse exemplo de TypeScript:

interface IComponent{
    getId() : string;
}

class Button implements IComponent{
    id:string;
    getId():string{
        return this.id;
    }
}

E mostra a conversão em:

var Button = (function () {
    function Button() {
    }
    Button.prototype.getId = function () {
        return this.id;
    };
    return Button;
})();

Chamando o código JS de feioso (isso mesmo, argh). O que ele não conta é que esses códigos não são equivalentes. No código TypeScript ele define uma interface, que é como um contrato, e uma classe, que é uma planta baixa para um objeto, ambos inúteis pois sem um objeto instanciado nada daquilo ali está vivo. Agora o código em JS já é vivo, o objeto Button é um objeto real e alocado, seu membro getId() acessável através de seu protótipo.

Na herança prototípica, você não precisa criar instâncias para ativar uma classe. Os objetos já são criados e ligados uns aos outros via a cadeia de protótipos. Alias, aquele código poderia ser escrito como:

function Button() {
}

Button.prototype.getId = function () {
    return this.id;
};

var meuBotao = new Button();

O código acima é menor, mais legível e mais simples que o anterior em OOP. A versão gerada pelo TypeScript simplesmente usa uma IIFE para capturar aquelas definições em um escopo léxico e só deixar o objeto final vazar para fora desse escopo.

As pessoas vindas de linguagens como C/C++/Java não só desconhecem o padrão de desenho IIFE mas também não estão acostumadas ao escopo léxico em geral estando mais familiarizadas com escopo de bloco. Em resumo, frente a padrões novos de desenho, paradigmas novos de herança e escopo, é até razoável entender por que as pessoas tratam o desconhecido como feio. Pessoalmente, eu prefiro herança prototípica que OOP mas até ai eu já programei em NewtonScript, Lua e REBOL então pra mim protótipos sempre foram a norma.

Tem gente que prefere escrever assim, vai entender né. - o autor em relação ao código gerado pelo TypeScript

Eu entendo muito bem quem prefere escrever daquele jeito pois isso demonstra uma compreensão da maquina virtual que está rodando o código. O autor sabe que deve capturar as variáveis em um escopo léxico, que isso facilitará o debug e a coleção de lixo. Ele também sabe como funciona a cadeia de protótipos. O mal do século é não entender como JS funciona e ainda assim ficar tentando transpilar o mundo para ele.

Tão grande é a falta de compreensão ali no artigo que o autor cita:

"O conceito de classes no TypeScript é o mesmo de uma classe em qualquer linguagem orientada a objetos. As classes no TypeScript seguem o padrão ECMAScript 6 que em teoria será o “futuro” do JavaScript." - o autor do artigo

Repitam comigo: Sintaxe é diferente de semântica! Sintaxe é diferente de semântica!. A nova sintaxe de classes do ES6 não cria um sistema novo de orientação a objetos, ela é apenas uma forma nova de escrever porém o que acontece é a mesma herança prototípica que eu amo. Mudar a sintaxe, não muda o que acontece na VM magicamente. Simplesmente economiza palavra e torna o código mais claro mas dai a confundir com herança de OOP está errado.

Nem vou reclamar da sessão sobre accessors pois todo mundo sabe que JS possui getters e setters desde 2006 quando foi lançado o Firefox 2.

O lance é, o artigo cita diversas coisas como se a semântica da VM fosse mudar, como se TypeScript tivesse substituindo algo que não pode ser feito em JS, como se JS fosse feioso ou bobo sem no entando demonstrar entender como essas coisas funcionam e isso leva ao segundo problema que é muito mais importante do que falamos até agora

O meu é maior que o seu!!!!

Ai graças a um artigo cheio de imcompreensões sobre JS e adjetivos como feioso, malucão, chegamos a parte dos comentários onde a galera logo se dividiu em pró-JS e contra-JS-pró-TS... WTF??!?!?!? Tudo nesse país tem que virar briga???? PRA QUE?!!??!

Primeiro, TypeScript é super bacana, o autor está mais do que certo nisso! Fez um ótimo trabalho na hora de demonstrar as funcionalidades da linguagem e eu sinceramente quero ver os próximos artigos. Isso não significa que para TypeScript ser bacana, o JS precisa ser ruim.

Lembrem-se que TypeScript é um superset de JS e inclui tudo que o JS já tem. Falar Diga olá ao TypeScript e adeus ao JavaScript é a mesma coisa que falar Diga olá para a Nutella e adeus para avelã e cacau, PORRA, NUTELLA É FEITA DE AVELÃ E CACAU!!!!! TypeScript é feito de JS. TypeScript não é algo que roda em JS como bytecode. TypeScript é JS. É como se quando o Mario pega a flor e passa a atirar bola de fogo você falasse que ele não é mais o Mario!!!!

Tem uma infinidade de Javeiro/PHPeiro/Czeiro/C++eiro na thread falando absurdos de JS sem nem entender como a linguagem funciona e tem um bando de fã de JS batendo de volta como se TypeScript não merecesse atenção (dica: merece sim).

"Javascript é gambiarra, programadores de verdade sabem disso." - trecho de um comentário bobo

Programadores de verdade sabem que linguagens são ferramentas apenas e não ideais platônicos da verdade e da justiça! Depois que você constroi uma estante ninguém pergunta a marca do martelo. JS tem first-order functions, closures, herança prototípica, maquinas virtuais super performáticas, uma abrangência em termos de dispositivos nunca antes alcançada. JS tem uma infinidade de features em termos de programação que várias linguagens ditas de programadores de verdade até hoje desconhecem.

"#partiu angular 2 com TS, vai ser a bola da vez em 2016." - o autor do artigo respondendo a baboseira citada acima

O autor fica falando de TypeScript como se o grande mérito da linguagem fosse o Angular 2. Em nenhum momento ele cita que a linguagem foi desenvolvida pela Microsoft, que durante anos foi a Microsoft que colocou esforço e dinheiro nesse superset (que junto com C#, F# e M# fazem parte do conjunto de linguagens fodaralhassas desenvolvidas lá). Cadê o dar nome aos bois?

"Aviso importante para quem está começando/aprendendo javascript: pulem esse artigo." -- outro comentário

Não! Não! Não! TypeScript é maneiro! Não precisa deixar de se interessar pela linguagem só por que voce está aprendendo JS. Pelo contrário, estude JS e aprenda como sua engine funciona e então você terá uma compreensão melhor sobre o que o TypeScript está fazendo. A diferença entre o motorista de carro e o mecânico, um deles sabe o que acontece dentro do motor além de saber dirigir o carro.

"Eu tbm parei de ler o Tableless... Ai acabei me lembrando agora porque eu parei de ler... Que artigo mais sem noção..." - outro comentário

Então tem uma enxurada de violência de internet com comentários dessa natureza. Nada disso ajuda a comunidade. Se alguém não está de acordo com os artigos do Tableless então em vez de xingar muito no Twitter que tal contribuir com algum artigo que seja mais afinado com o que você deseja ler? Eu não gostei do artigo apesar de curtir TypeScript, eu não vou parar de ler o tableless ou ficar tretando com o autor, eu vou sim escrever esse feedback que estou escrevendo e ver se tem alguma forma de contribuir um artigo sobre herança prototípica para o Tableless pq parece que até hoje a galera não entende o assunto.

É triste ler tanto comentário idiota de pessoas qua acham saber do que estão falando. Estou estudando angular 2.0 e não se compara a facilidade que o type gera ao desenvolver. (...) é bom se acostumarem pois esse é o rumo que a web está tomando. Estruturas como a do typescript serão cada vez mais comum.

Todo mundo sendo expert no futuro... sim TypeScript é super gostoso de desenvolver, eu mesmo também adoro. So que o que falta ai é que o engine ainda é o mesmo, a semântica é a mesma, você só entupiu de syntatic sugar e tooling para ficar mais confortável para a galera de Java e C# mas ainda é JS e isso não muda. A Web está tomando um rumo sim, está tomando o rumo do ES6 e esse é um rumo que mantém a herança prototípica, mantém a tipagem fraca, mantém IIFE, closure, hoisting, escopo léxico (mas tem o let pra dar uma fugida) e todas as outras coisas do JS normal.

Então fica aqui meu apelo para o autor do artigo e para os autores dos comentários: Que tal começarmos o ano com menos flamewars e FUDs?. Que tal escrevermos sobre uma tecnologia sem desmerecermos outra? Que tal em vez de xingarmos para caralho, escrevermos críticas construtivas e melhor ainda, escrevermos mais conteúdo mostrando novos lados, interpretações e paradigmas. O mundo da Web é muito rico, nosso ecosistema tupiniquim é sensacional, juntos podemos muito mais!

Ferramentas para causar impacto: Matrizes de planejamento

por André Garzia

Uma matriz de planejamento zoada

Planejando para causar impacto

Todo mundo deseja causar mais impacto com suas ações porém as vezes nós não possuímos as ferramentas necessárias para gerenciarmos esses processos. Os Mozillians são muito bons em causar impacto como pode ser visto em nossas ações ao redor do mundo. Neste breve post vamos adicionar uma ferramenta extra na nossa coleção. Ela servirá para desmembrar nosso desejo de causar impacto em pedacinhos pequenos, mensuráveis e metrificáveis. Existem inúmeras metodologías e ferramentas que podemos utilizar, essa é apenas mais uma que você pode adaptar para o seu uso pessoal.

A vantagem principal de utilizar essa ferramenta é que além dela te ajudar a planejar as ações com o foco no impacto que você deseja causar, ela também te ajuda a entender se você conseguiu ou não atingir o seu objetivo. Neste sentido, ela não é boa somente para suas ações futuras mas também para suas métricas. O time de participação utiliza OKRs para o seu planejamento e esses podem ser facilmente extraídos a partir dessas matrizes :-)

Matrizes de planejamento

A ferramenta apresentada aqui é chamada de Matriz Lógica de Planejamento mas iremos nos referir à ela como matriz de planejamento para ficar mais simples. Ela é uma adaptação de outras matrizes mais complexas utilizadas no ITS Rio (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro) para a nossa comunidade.

Essas matrizes (como todas as outras) possui colunas e linhas. Cada linha lista um objetivo futuro (impacto) e as colunas listam ações, metadados, métricas e indicadores relacionados ao objetivo da linha. Essa matriz, quando preparada de forma cuidadosa, é uma forma muito boa de visualizar os seus planos e objetivos.

Matriz de Planejamento Simples (3 colunas)

Vamos começar com a matriz que possui 3 colunas. Abaixo temos um fragmento de uma matriz utilizada em um evento de tecnologia aqui no Brasil.

Objetivo Ação Indicador de Sucesso
Conscientizar as pessoas que a Mozilla promove os esforços da comunidade e está presente no evento e na região. Ter nossa marca exibida pelo evento todo. Pessoas envolvidas com a gente para falar sobre Mozilla.
Mostrar à comunidade que a Mozilla está presente na região Nordeste. Tornar as pessoas conscientes de nossos projetos e ferramentas recentes A nossa marca e nome em artigos de jornal e TV Mais pessoas que querem conversar conosco e saber mais sobre os nossos projetos na região.
Estabelecer a Mozilla como especialista em desenvolvimento web Nossa palestra no evento Pessoas falando no evento e nas redes sociais sobre o nosso tema.
Tornar as pessoas conscientes de nossos projetos recentes e novas ferramentas Demos no nosso stand Aumentar os downloads do Firefox para Android, Firefox Developer Edition and Firefox para iOS.
Recrutar novos voluntários Demos no nosso stand Novas pessoas da região entrando na nossa lista de email da comunidade
Recrutar novos voluntários Ministrar uma oficina Novas pessoas da região inscritas na nossa lista de email da comunidade

Nesta versão, as colunas são:

  • Objetivo: O objetivo daquela ação. Neste caso, a matriz era relacionada à um evento.
  • Ação: Qual ação que leva rumo ao objetivo? Se existir mais de uma ação que leve para o mesmo objetivo então use multiplas linhas.
  • Indicador de Sucesso: Como vamos medir o nosso sucesso, ou, quais as conseqüências positivas dos nossos atos? Essa é a coluna relacionada à métricas onde colocamos formas tangíveis de mensurar se atingimos nosso objetivo ou não.

Essa é uma matriz muito simples porém se planejada com o devido cuidado, é uma ferramenta muito poderosa para a visualização de estratégias. Você pode utilizá-la tanto para "eventos isolados" como para planejar a estratégia da sua comunidade para os próximos seis meses. Qual abrangente ou específico você deseja ser é apenas uma questão de foco. Podemos inclusive utilizar mais de uma matriz, onde uma é sua visão mais abrangente contendo seu planejamento à médio prazo e outras matrizes com visão mais focadas para eventos, ações e projetos que contribuam com essa sua visão mais ampla.

Matriz de Planejamento Complexa (6 colunas)

Vamos agora apresentar uma matrix mais complexa, ou completa, que você pode utilizar para planejar suas ações. Abaixo temos um fragmento de uma versão antiga da matriz de planejamento do Rio Mozilla Club (essa versão foi feita antes da criação do projeto dos Mozilla Clubs e portanto nossas atividades eram nomeadas como experimentos de Webmaker).

Objetivo Específico Resultado Específico Estratégia Metas & Indicadores Atividades Orçamento
O1: Revitalizar Lan Houses em espaços comunitários voltados para a criação e aprendizagem de novas habilidades digitais independentes Criar uma rede de makerspaces nas lan houses. Criar uma rede Lan House unindo proprietários, usuários e grupos locais WebMaker. Devemos nos esforçar para fazer essas redes locais serem auto-sustentáveis (aka não dependente ou preso à nós) Proprietários de Lan House organizando um evento distribuído e paralelo promovendo assim a sua independência e habilidade de se auto-organizar e contribuir com os outros. • Mapear e promover o potencial da rede de Lan Houses

• Identificar as possibilidades e dificuldades das Lan Houses do Rio (relatório da Laura)
-
O2: Alterar o perfil do usuário de um consumidor de mídia para um criador web. Usuários habilitados e capazes de criar conteúdo da web. • Promover e difundir o conhecimento sobre a cultura maker.

• Oferecer oficinas onde os usuários adquirirem novas habilidades digitais e confiança.
A pesquisa de campo feita com proprietários Lan House focada nos participantes das oficinas onde pretendemos verificar que 60% dos usuários se sentem capazes de produzir conteúdo na web e que pelo menos 4 usuários criaram novos conteúdos web fora dos workshops. Promover eventos e oficinas do Webmaker. -

Essa é uma matrix mais complexa com um controle mais preciso sobre as colunas:

  • Objetivo Específico: O que queremos alcançar? Essa coluna é análoga a da matriz de 3 colunas porém ela deve listar objetivos bem específicos, não existe espaço aqui para declarações vagas como por exemplo: manter a Web livre e aberta.
  • Resultado Específico: Como teremos certeza que atingimos nosso objetivo? Qual é a nossa conseqüência positiva, o nosso sucesso?
  • Estratégia: Como vamos chegar lá? De que forma, com quais ações, saímos de ter um objetivo para alcançar nosso objetivo.
  • Metas & Indicadores: O que iremos entregar de forma SMART (Específica, mensurável, ambiciosa, responsável e com limite de tempo)? Essa coluna é uma das mais difíceis pois não basta termos alguns indicadores de sucesso mas sim indicadores de sucesso mensuráveis, algo que possamos colocar em forma numérica e plotarmos em gráficos para visualizarmos quão bem ou mal sucedidos nós fomos. A parte principal é que nossas metas e indicadores devem possuir o máximo das qualidades listadas acima entre parênteses quanto possível.
  • Atividades: Descrevemos quais os passos principais e o caminho para alcançarmos cada objetivo.
  • Orçamento: Quando custa para realizarmos o objetivo da linha.

Essa matriz é um pouco mais complexa para construir porém oferece mais informações para a visualização e planejamento de estratégias. Além disso, ela fornece boas informações numéricas para gráficos e relatórios e ainda ajuda na alocação de recursos financeiros. Com essa versão, você pode plotar gráficos e ajustar suas estratégia de acordo com os resultados aparentes.

Semeando sua matriz de planejamento

Na minha opinião, você não constrói matrizes de planejamento. Essas matrizes são como organismos vivos que mudam e amadurecem com o tempo e são produto de muitas mãos. Na minha opinião pessoal, matrizes de planejamento são como plantinhas que você cuida e vê crescer.

Passo #1: Visualizando seus objetivos gerais

O primeiro passo é decidir se você prefere uma matriz de 3 ou 6 colunas ou se vai fazer um remix com um outro número de colunas que faça sentido para sua forma de trabalhar. Depois disso você precisa decidir com sua equipe quais são os seus objetivos gerais. Esses não são os objetivos que entram na matriz, eles servem como uma forma de visualização ampla do que vocês planejam alcançar.

Passo #2: Objetivos e Resultados, vamos por partes!

Pegue seus objetivos gerais e os quebre em objetivos específicos. Por exemplo, se o objetivo geral for fazer pizza então quebre ele em coisas como conseguir os ingredientes, preparar a massa, esquentar o forno, etc.

Depois de decidir quais os seus objetivos específicos, identifique quais os resultados específicos que são os pares de cada objetivo. É bastante fácil de encontrar esses resultados porém essa é uma parte importante para a visualização do processo então faça isso com bastante cuidado e veja se os seus resultados podem ser melhorados.

Passo #3: Estratégias, ou planos A, B até o Z

Agora é o momento de gastar muito tempo pensando nas suas estratégias incluíndo planos A, B e até o Z. Não é o suficiente falar coisa como Vamos para a França e pensar que sua estratégia é Pegaremos um avião. Aonde você pegará o tal avião? E se estiver com overbook? Quem precisa de visto? Alguém fala Francês no seu time? Quanto mais perguntas você fizer e mais respostas você conseguir, melhor fica o seu planejamento!

Não se apoie em uma única estratégia, não coloque todos os ovos no mesmo cesto, você precisa de planos alternativos tanto para os pontos importantes da sua estratégia como também para a estratégia em sí. Se o seu objetivo é chegar na França e sua estratégia depende de aviões e todos eles estão impossibilitados de decolar então o que você faz? Será que dá para pegar um trem? Barco? Existe mais de uma maneira de se alcançar os seus objetivos específicos, identifique como! Esse é um passo que não importa quanto tempo você utilize, você sempre poderá utilizar um pouquinho mais.

Passo #4: Sendo SMART!

Esse acrônimo só funciona em Ingles. Ele quer dizer Specific, Mensurable, Ambitious, Responsible e Time Bound. Não achei uma versão fofinha desse acrônimo pra usar.

De posse dos seus objetivos, resultados e estratégias é hora de achar suas metas e indicadores SMART (argh, EMARLT não funciona como acrônimo então vai SMART mesmo). Vamos explicar o que queremos dizer com EMARLT, digo, SMART.

  • Específico: Um indicador/meta que precisa ser bastante focado com um escopo muito bem definido.
  • Mensurável: Precisa ser algo que você possa mensurar. Não utilize coisa tipo ter usuários felizes pois é meio impossível de mensurar isso, utilize algo como ter uma resposta positiva na pesquisa pós-evento com aprovação por 70% dos nossos usuários participantes.
  • Ambicioso: Quer ir pra Lua? Ok, mas planeje direitinho a viagem! Se você planejar ter um impacto galático e conseguir somente um impacto planetário já estará bom para caramba! As pessoas continuam felizes! Não atingir suas metas não significa falhar porém planejar almejando resultado extremamente fáceis e conservadores não irá realizar todo o seu potencial! Você pode mais do que imagina, você é incrível!
  • Responsável: Esse tem um significado duplo! Ele serve tanto para identificar quem ou qual grupo será responsável por essa meta ou indicador mas também para garantir que sua meta ou indicador é algo responsável. Se o seu indicador é ter 300 novas traduções de artigos da MDN até o final da semana e você alcança isso explorando voluntários até a exaustão, você não está sendo responsável. Planeje suas metas e indicadores de forma saudável e então delegue para alguém.
  • Com limite de Tempo: Esse critério é para impedir coisas tipo e viveram felizes para sempre. Suas metas e indicadores devem ter uma data na qual você poderá mensurar se eles foram atingidos ou não. Sem limite de tempo, as coisas se alongam para sempre (basta ver a velocidade geológica de avanço de qualquer obra pública no Brasil).

Passo #5: Atividades e Orçamento

Tudo que resta agora é o planejamento dos detalhes sobre quais ações serão tomadas e quem fará o que. Use quanto tempo for necessário para descrever o mais exato possível o caminho utilizado para alcançar suas estratégias com ações, atividades e checkpoints bem definidos. Se o seu objetivo é ir até a França então neste passo você planeja todas as suas ações até chegar lá e quanto custa cada ação.

Por exemplo: Se estamos construindo uma matriz cujo objetivo geral é expandir a alfabetização Web no Brasil e tem como um dos objetivos específicos ensinar as pessoas o por que a alfabetização Web é importante então poderíamos planejar ações como posts em blogs, artigos em jornais e revistas, artigos em sites de terceiros, oficinas em eventos grandes relacionados a tecnologia e divulgação dos nossos temas dentro de comunidades de desenvolvimento.

Algumas ações/atividades não terão necessidade de orçamento porém todas as atividades devem ter alguém responsável por elas. Você sempre precisa de um nome ou um grupo de pessoas que você possa entrar em contato e descobrir o status de uma ação ou atividade. Você NÃO pode colocar todo o seu time como responsável coletivo por algo, isso não funciona. Todos podem agir em prol da atividade e dividir as tarefas mas uma pessoa ou um subgrupo pequeno do seu grupo deve ficar responsável. Não caia na armadilha de muito cacique para pouco índio.

Passo #6: iteração ao longo do tempo! (aka nenhum plano é perfeito, ou, o capitão disse pra mudar o rumo!)

Quando estamos criando uma matriz para planejamento de longo prazo para nossas comunidades locais, Mozilla Clubs ou projetos pessoais, veremos que em alguns casos a realidade começa a destoar dos sonhos e ilusões que você espalhou pela sua matriz. As coisas mudam, estratégias falham, atividades acabam sendo muito mais sensacionais que o esperado. A única coisa que eu posso te garantir é que em algum lugar da sua matrix existirá pelo menos um item que precisará de uma mudança após o seu plano ser posto em uso.

Matrizes de planejamento não são um contrato! Elas não são algo gravado em pedra que não pode ser modificado com o passar do tempo. As vezes você será ultra-otimista em sua matriz e perceberá que o que você pensou que era uma ida até a Lua era na verdade uma ida até Andromeda (e também impossível). Em outros momentos você será super-pessimista e começará a ultrapassar todas as suas metas e indicadores com tanto sucesso que eles não serão mais úteis. Na maioria dos casos, o que acontece é uma combinação desses dois cenários onde partes da sua matriz estão otimistas demais e outras partes pessimistas demais. Seja lá qual for o caso, você pode dar um passo para trás e revisar a sua matriz.

Pense em um rio com uma margem sendo o sucesso e a outra sendo o desastre. Sua matriz é como um barquinho que navega bem no meio desse rio, para que a tripulação possa visualizar ambas margens com igual facilidade. Se o seu barco simplesmente aponta para uma margen e sai pulando para fora do rio igual um coelho doido então é hora de dar um passo pra trás e construir um rio novo em volta do seu barco... err... não é a melhor analogia mas acho que você entendeu.

De qualquer jeito, as estratégias e objetivos evoluem com o tempo, como por exemplo, quando você percebe que o que você estava fazendo era desenvolvimento de lideranças comunitárias e não simplesmente empoderamento de pessoas com novas habilidades digitais. Conforme o tempo passa e você visualiza constantemente o seu planejamento executando suas estratégias, você desenvolve uma nova compreensão sobre os seus objetivos e planos e isso pode causar uma mudança na sua matriz.

Modificar uma matriz não é sinal de fracasso, é apenas uma nova compreensão sobre a realidade enfrentada pelo seu time. É apenas uma correção de curso, todos os aviões e navios fazem isso apesar dos seus planos de viagem.

Conclusão e pedido de feedback

Eu espero que esse pequena ferramenta te ajude a chegar na França, na Lua, em Andrômeda ou em direção a qualquer que seja o seu objetivo. Se essa ferramenta for útil para você, ou você remixar ela em algo novo, por favor me conte! Queremos saber mais sobre como os Mozillians planejam e executam suas ações e esperamos que essa ferramenta seja mais um dos recursos bacanas a sua disposição!

Alternativas ao Whatsapp

por André Garzia

Sobe na rede!!!! Bloqueio do Brassssiiiillllll

O problema: gente que não sabe mais viver sem Whatsapp

Tem muita gente desesperada no Brasil nesse exato momento com o bloqueio de 48h do Whatsapp. Existe muita desinformação a respeito dos motivos que levaram ao bloqueio e ao que parece o acesso já está em vias de ser restaurado. Muita gente sabe que eu não curto o Whatsapp por inúmeras razões mas a verdade é que o app caiu no gosto do Brasileiro que sendo um ser de memória de peixinho dourado não se lembra que existem um milhão de alternativas mais bacanas a esse app.

Muita gente aqui se lembra do ICQ, MSN, Yahoo! Messenger e outros programas que foram muito populares no passado. Hoje em dia temos além desses, uns tantos outros como por exemplo o Telegram, LINE Viber, Facebook Messenger, Skype, etc. Muita gente já usou vários desses e foi migrando de um para o outro conforme seus amigos migravam também. A verdade é:

Não existe fidelidade em programas de IM

Aparecendo algo melhor você irá trocar de app! Se seus amigos forem para outro app, você irá junto. O lance é que muita gente acredita que o Whatsapp é o último biscoito do pacote e que nenhum app contém as mesmas funcionalidades. Isso não é verdade, tem muito app bacana no mundo pra gente usar. Nesse breve post falaremos um pouquinho sobre o que as pessoas estão fazendo quando ao bloqueio, sobre alternativas ao Whatsapp e sobre soluções melhores que essas alternativas para o ecosistema da Internet.

Solução MacGyver: Usar VPN de terceiro.

Não!!! Não!!!!!! NÃO!!!! N-Ã-O!!!!

Certo, vamos por partes, tem muita gente baixando app de VPN sem nem saber o que é uma VPN e os perigos envolvidos em usar uma VPN de terceiros. Para resumir, imagine que uma VPN é um túnel que liga você a internet. Todo seu trafego passará por esse túnel. Isso desbloqueia o Whatsapp pois a boca desse túnel está em outro país onde o Whatsapp não está bloqueado, portanto, do ponto de vista do seu celular, ele não está mais no Brasil mas sim em algum outro país.

Até ai super bacana porém a galera esquece que as paredes desse túnel podem ter ouvidos, alias, podem ter olhos, ouvidos, mãos e tudo mais. Os donos da VPN, se forem mal intencionados, podem vasculhar tudo que você está passando. Podem substituir certificados de SSL e ver inclusive a comunicação que você acreditava ser segura. Quando seu celular usa uma VPN, seu email, Facebook, Instagram, Snapchat, Nudes, tudo, passa por dentro da VPN, se essa for uma VPN evil, ela terá acesso a todos os seus dados sensíveis que estão transitando na rede.

Muita gente está baixando software VPN sem nem saber da onde. Muita gente terá suas contas em redes sociais, emails e possivelmente até homebanking hackeadas.

Repita comigo: Não confiarei em uma VPN sem um bom motivo!

Solução Han Solo: Outro App

Assim como Han Solo, muitos Brasileiros estão procurando outras rotas, digo apps, para se comunicar com os amigos. Um desses apps parece ter caído no gosto do país. O Telegram é atualmente o app mais baixado na Google Play do Brasil. Eu uso o Telegram desde o lançamento e gosto muito do app por várias razões. Vou citar as mais relevantes:

  • Stickers! Stickers! Stickers! O Telegram tem stickers, o Whatsapp não!
  • Chat secreto com criptografia de ponta a ponta.
  • Chat secreto com mensagens com autodestruição. Você escolhe o tempo e elas poof apagam.
  • O app cliente é software livre e vários clientes alternativos existem.
  • Apps para Android, Firefox OS, iOS, Windows Phone, Mac OS X, Windows, Linux, Web
  • Uma API aberta inclusive com SDK para bots
  • Stickeeeeerrrsss!!!!

Eu não uso o sistema de ligação por audio do Whatsapp e não sinto falta dessa funcionalidade porém eu gosto muito das funcionalidades que o Telegram tem que o Whatsapp não tem como por exemplo os stickers e o fato que tem app para tudo que é smartphone, desktop e tablet. Alias eu posso inclusive acessar o Telegram via Web e ver minhas mensagens.

Acho que esse bloqueio atual é uma ótima oportunidade para as pessoas conhecerem um app novo que não é hostil a Web como o whatsapp.

Solução inteiramente livre: Actor Messenger

Para quem quer uma solução inteiramente livre, existe o Actor Messenger. Eu sinceramente ainda não testei porém é algo a ser explorado e colaborado. Desenvolvedores com tempo livre e vontade de contribuir com algo podem dedicar seu tempo a tornar o ecosistema de mensageria um local mais bacana, seja contribuíndo com o Actor Messenger ou com XMPP.

Quando falamos sobre inteiramente livre aqui estamos falando que tanto o cliente quanto o servidor são código aberto. Se é para colocar esforço e dedicação em algo então que seja em alguma coisa livre né? Alias quem quer mandar um PR pra eles e tornar esse app federado :-D

O problema na verdade é outro

O grande lance que simplesmente trocar de app não resolve o seu problema. Imagina se uma juíza decide amanhã bloquear o Telegram, ou o Facebook, ou o Twitter. Enquanto utilizarmos soluções não federadas e distribuídas sempre estaremos correndo esse risco. Nós, cidadãos da Internet, temos vivido de forma muito confortável nos últimos anos em silos proprietários sem pararmos para pensar o que acontece com nossos contatos e conteúdo uma vez que esses silos vão embora.

Se X Fodeu Y
Se o Facebook acaba Pra onde vão seus contatos?
Se o Medium acaba Pra onde vai o seu conteúdo?
Se o Instagram acaba Cadê suas fotos?
Se o LinkedIn acaba (tomara) Cadê seu currículo?
Se o Snapshat acaba Pra onde vão os nudes?
Se o Google Drive acaba Pra onde vai tudo?

Estamos apoiados em uma série de serviços que não falam uns com os outros e não possuem formas bacanas de se extrair os dados pessoais contidos em cada um (backup). Por exemplo, como faz backup da sua timeline do FB? Dos seus albums? Dos seus contatos?

Até alguns anos atrás, os usuários e os desenvolvedores prezavam pela interoperabilidade entre serviços. Foi uma breve época de ouro ontem tinhamos padrões utilizados pela maioria dos serviços como por exemplo RSS para distribuição de conteúdo, XMPP para chat e mensagens instantâneas, XML-RPC para API remota. O Twitter, Blogger, Wordpress, Facebook, GTalk, todos falavam esses protocolos e interoperavam. Serviços de mashup eram criados com freqüência para unir informações de serviços diferentes. Era tudo muito bacana.

A corrida atrás de dinheiro, VC e usuários fez com que esses serviços fossem desligando essas capacidades de interoperabilidade com o objetivo de prender o usuário dentro do seu próprio ecosistema. O Facebook Messenger, Yahoo! Messenger, MSN Messenger e Google Talk todos falavam o mesmo protocolo e poderiam conversar um com os outros. Isso tudo foi desligado.

Imagine viver em um mundo onde para mandar um email para alguém que tenha um email @gmail.com você tivesse que ter um gmail também? Esse é o mundo atual das mensagens instantâneas. Esse não é um mundo bacana. A Internet não precisa ser assim.

Um mundo mais federado e distribuído

A solução para esses problemas é voltarmos a utilizar tecnologias federadas e distribuídas. Precisamos estar no controle da nossa experiência na Internet. Isso só é possível se utilizarmos serviços mais bacanas.

Se você quer X Então faça Y
Quer distribuir conteúdo online? Faça um blog! Pode usar o medium também porém tenha o seu próprio blog com RSS. Se possível em um servidor seu.
Quer ter galerias de foto online? Utilize um servidor com owncloud e tenha backups em disco! Não acredite que o flickr, dropbox, instagram irão durar para sempre.
Quer ter seu currículo online? Faça uma página/blog.
Quer conversar com a galera? Utilize XMPP ou IRC. Tendo mais de uma conta em servidores diferentes de XMPP você continuará acessando o serviço mesmo que um servidor tenha sido bloqueado.
Quer publicar mudanças de status? Microblogging? Além do Twitter, por que não ter um Diaspora ou um GNU Social no seu próprio servidor?

Tendo o seu próprio servidor, você passa a ter muito mais controle sobre a sua experiência online e não é tão afetado por bloqueios, quedas e outras interrupções não programadas. Você pode sim continuar utilizando os serviços fechados mas ao replicar sua informação em um canal que está sob o seu controle você acaba ficando muito mais seguro.

Na minha opinião pessoal, todo mundo que utiliza Facebook/Twitter/Medium para publicar conteúdo deveria ter um blog, um canal seu, livre do controle de uma empresa. Acho que a união de blogs com IM via XMPP é um potencial disruptor dessa situação atual onde somos reféns de terceiros.

Mas por que isso?!

Vivemos em um Brasil onde os governantes se mostram cada vez mais incompetentes, paranóicos e zuados. A bancada do BBB (Boi, Bala e Bíblia) já vem com umas idéias muito loucas sobre o ensino nas escolas e sobre o que deve ou não ser permitido no país. Os governantes atuais seja do PT ou do PSDB ou de qualquer um no espectro entre esses dois, tem ficado cada vez mais conscientes do poder da Internet como canal para manifestação de desejos, denúncias e participação civil. Esse medo acaba virando uma necessidade de controle. Esses mesmos governantes querem uma alavanca que eles possam puxar e desligar tudo. Isso não pode ser permitido.

Empresas utilizam suas plataformas para gerar perfis de milhões de usuários e colocar essas informações a venda para quem pagar mais. Seus dados não estão seguros ou privados ao utilizar a maioria desses serviços. Empresas como o Facebook e o Google possuem perfis muito completos sobre cada um de vocês nós. Como esses dados são utilizados por elas, pelos seus anunciantes ou mesmo pela NSA, não é algo que é explicado ou perguntado para você. Em nome do lucro, você virou mercadoria. Em nome da segurança, você virou big data. Em nome do controle, você ficou preso.

Utilizar tecnologias melhores, mais livres e mais distribuídas não é só um ato de rebeldia mas sim uma reação da população: Queremos manter nossa Internet livre, aberta e feita por todos para todos!

Do Firefox OS para o MIUI

por Raniere

Do Firefox OS para o MIUI

Nota

Em 09 de Dezembro a Mozilla anunciou que estaria encerrando suas atividades voltadas ao desenvolvimento do Firefox OS para celulares.

Usei o Firefox OS por mais de um ano no meu celular principal.

Screenshot do Firefox OS.

Embora o sistema operacional fosse novo gostei bastante de utilizá-lo por consegui-lo hackear, utilizava minha própria build com alguns patches adicionais. Infelizmente, de Julho para cá, algumas coisas me deixaram insatisfeitos:

  1. o teclado virtual estava muito lento devido a regressão;
  2. minhas builds estavam quebradas, provavelmente devido a outra regressão que não é fácil localizar devido aos vários repositórios utilizados durante a compilação além do dispositivo que utilizava não ter mais suporte oficial;
  3. nas últimas semanas a compilação do Firefox OS simplesmente falhava.

Depois de muita consideração, resolvi abandonar o Firefox OS e experimentar o MIUI que pode ser considerado um fork do CyanogenMod, que é um fork do Android, desenvolvido pela Xiaomi.

Screenshot do MIUI.

Leia mais...

Diário do Panco – Primeira Semana

por Mel Mel

Um pouco atrasado mas lá vamos nós contar como andam as aventuras do Gatão mais lindo desse universo o Panco.

Lembram que no post passado eu havia contado que ele ainda não estava confortável o suficiente com o ambiente novo e ainda não conseguia usar a caixinha de areia? Pois bem é CLAAAAARO que isso mudou! Logo depois que escrevi o post fui limpar a caixinha e lá estava o/ Imagem minha alegria heheh siiimmmm eu comemoro cada pequeno avanço do Panco.

20150818_185655

Então agora já temos um moção linduxo que usa corretamente a caixa de areia o/ Podem comemorar comigo por que fazer ele se acostumar em menos de uma semana foi uma vitória e tanto. o/

Além dessa mega evolução o Panco agora frequenta a sala e já reconhece os lugares, é verdade que ele tem algum receio ainda, um pouco desconfiadinho mas a nossa atividade preferida até o momento é dormir abraçadinhos no sofá :D

20150826_003609

Além disso agora o Panco começou a brincar com as bolinhas e arranhadores, é verdade que ele já brincava antes mas de uma forma muito tímida agora ele pega as bolinhas e ratinhos e joga pela casa toda =P E é claro que me divirto mais que ele com ele brincando.

O Panco também descobriu a janela e gosta de ficar tomando um arzinho por lá observando os passarinhos que vem no telhado.

20150820_170543 20150817_231237

Bom como vocês podem ver a adaptação dele aqui em casa está sendo muito fácil o que significa que provavelmente isso vai acontecer quando ele for para sua casa definitiva, isso mesmo, lembram? O Panco está aqui como lar temporário e por isso seguimos buscando uma família para ele.

Ta bom Mel, você me convenceu quero adotar o Panco o que eu faço?

É bem simples, as instruções estão todas aqui.

Não posso ajudar adotando o Panco tem algo que possa fazer?
Claaaaroo! Dá uma olhadinha aqui no site da Resgatinhos pra saber como ajudar. Além disso, você pode divulgar este post e as fotinhos do Panco para amigos de Campinas e região, vai que algum deles se apaixone por ele?

Diário do Panco – Primeiro final de semana

por Mel Mel

Olá amantes de gatinhos que voltaram aqui para acompanhar a história de adaptação do Panco! Para quem ainda não viu o primeiro post  ou quer conhecer um pouco sobre minha história com os animais pode ler por aqui.

Bom, como meu namorado e eu trabalhos de casa o fato de ser final de semana não influenciou tanto na adaptação do Panco mas estamos avançando dia a dia (dentro dos limites dele claro) e em vários aspectos o Panco vem evoluindo de uma maneira fenomenal (isso quer dizer que se você adotar ele é bem provável que ele se adapte super fácil a sua casa também o/).

20150816_172846

No que o Panco está evoluindo

Bom para que ele se adaptasse a nossa casa deixamos ele fechado em um único cômodo o qual ele já explorou todinho, inclusive até demais hehehe pra vocês terem ideia ele já quis escalar a geladeira, subir nos armários e tudo mais. De fato ele está se sentindo dono no lugar já! Com isso decidimos fazer ele começar a explorar o resto da casa. A primeira vez que ele saiu da cozinha ele deu alguns passinhos e voltou correndo para dentro e se escondeu hehehe. Talvez a gente estivesse querendo forçar um pouco a barra né? Então como Panco fica muiiito calmo no colo então resolvi trazer ele para assistir um pouco de tv no sofá, dito e feito ele ficou dentro do possível. Foi incrível ver ele explorando os novos cheiros e barulhinhos da sala. Durante um tempão ele ficou com a gente e claro amoooou minha mantinha de sofá que é super parecida com seu cobertorzinho de dormir. Ele até resolveu sair do sofá por alguns segundos mas quando viu o ambiente grande voltou correndo pro sofá e ficou com a gente cheio de ronrons e mostrando o barrigão para ganhar carinho. Panco está se adaptando muito bem mas é claro que nem tudo são flores e por isso vou contar um pouco das dificuldades estamos enfrentando na adaptação dele.

20150816_174906

No que precisamos ajudar o Panco

Gostaria de começar esta parte do texto dizendo algo bem radical mas que é verdade então por favor não me condenem por isso mas, “SE VOCÊ NÃO TEM PACIÊNCIA, NÃO ADOTE, NÃO COMPRE, NÃO TENHA ANIMAIS”. É sério adaptar um animal não é brincadeira e não importa se ele é filhote ou adulto vai demandar muita paciência, as vezes serão noites sem dormir, as vezes serão objetos quebrados, as vezes serão pelos em lugares que você nem imagina e as vezes vai acontecer isso que vou tratar agora. ;D

Panco passou mais de um ano em uma gaiola e sua caixinha de necessidades ficada sempre do seu lado, então ele estava acostumado a sempre utilizar ela mesmo. Convenhamos que é muito mais fácil você encontrar  o lugar certinho de fazer necessidades quando se mora em uma gaiola né? Então é claro que quando o Panco chegou aqui em casa eu já estava preparada para que ele demorasse um tempinho para descobrir a nova caixinha, com o novo composto enfim… Eu já sabia que teria que limpar alguns xixizinhos e cocozinhos fora do lugar. E se você está pensando em Adotar ou comprar um animal saiba que talvez você passe por isso também e esteja preparado por favor. Animais não são brinquedos que você pode desligar quando lhe convém, eles são vidas e devem ser respeitados até quando fazem algo que no seu ponto de vista possa parecer errado.

Bom o Panco ainda não reaprendeu a usar sua caixinha de areia e eu já tentei algumas técnicas para ensinar ele que até agora não foram efetivas, mas é claro ele está aqui há apenas 4 dias então nenhuma dessas técnicas é mágica para funcionar tão rápido mas gostaria de compartilhar com vocês o que tenho feito e também compartilhar algumas dicas que já me ajudaram em outras ocasiões, talvez elas possam ser úteis para vocês também :D Vamos lá então!

 

Algumas dicas de adaptação a caixa de areia em ambiente novo

O Panco está fazendo xixi dentro da caixinha de transporte em que ele foi trazido para cá, é fácil de deduzir o motivo, lá tem o cheirinho dele. A primeira vez que ele fez isso eu limpei toda caixa de transporte com água sanitária, vinagre branco e um pouco de bicarbonato de sódio, maaaas eu acho que não fiz o serviço direito heheh pois ontem a noite ele repetiu a dose =P E mais uma vez limpei com tudo que tinha direito hehehe mas para está noite eu tirei a caixa de transporte da cozinha e coloquei a caixa de areia no meeesmo local que a de transporte estava. Coloquei um poooouquinho do xixi dele em cima do jornal (pois na gaiola ele fazia xixi em jornal) e da areia para ver se ele sentindo o próprio cheiro dele lá ele aprenda que aquele é o banheirinho certo pra ele o/. Vamos cruzar os dedos para que dê certinho ;D conto para vocês depois.

Além disso a internet está lotada de dicas que se dizem infalíveis para ensinar os bichinhos, vou contar algumas mas saibam que não existe mágica você vai ter que ter paciência e repetir elas diversas vezes para que dêem certo. O certo é que não existe fórmula que funciona com qualquer animal, você vai ter que descobrir o que funciona com o seu.

20150816_175440

Vamos as dicas:

  • Assim que ele chegar na sua casa pela primeira vez, coloque-o nela para que ele possa ir se acostumando com o cheiro e a textura da areia. Continue pondo o bichano na caixa nos horários mais propícios, tais como depois das refeições e logo após ele acordar. Mas, se você flagrá-lo agachado em qualquer outro local, leve-o imediatamente ao “banheiro” certo.
    • Há gatinhos que entendem o propósito da caixa de areia imediatamente. Logo, eles não precisam ser treinados para usá-la. Já outros exigem mais paciência: pode ser necessário levá-los ao “toalete” até dez vezes por dia antes de perceberem que esse é o lugar certo para fazer xixi e cocô.
    • Resista à tentação de fazer o bichinho cavar um buraco para enterrar as necessidades. Há donos que pegam as patinhas e simulam o movimento de escavação, mas isso pode assustar o gatinho.

 

  • À medida que o bichano for crescendo e passando a usar a caixa, elogie o animal toda vez que ele fizer isso. Você pode fazer um carinho ou comemorar com um sorriso e palavras afetuosas. Se ele for castigado enquanto estiver no “banheiro”, ele vai passar a associá-lo com punição e pode começar a evitar esse local.
    • Há quem tente disciplinar os felinos do mesmo modo que os cães, esfregando o focinho deles nas fezes ou urina feitos fora do lugar certo. Essa tática não funciona muito bem com os gatos. Se acontecer um “acidente”, deixe que ele cheire as necessidades e, em seguida, levante-o delicadamente e coloque-o na caixa para ele entender a onde deve ir na próxima vez.
    • Nunca espanque e nem grite com um gatinho na tentativa de discipliná-lo. Isso só vai servir para deixá-lo com medo de você.

 

  •  Se você tem mais de um felino em casa, o ideal é que cada um deles tenha a sua própria caixa, além de uma extra para eventuais “emergências”.
    • Por exemplo, se possível, deixe duas caixas disponíveis caso você tenha apenas um felino. Para os que têm três bichanos, deve-se deixar quatro caixas de areia acessíveis.
  • No começo da vida dele em seu novo lar (as primeiras semanas na sua casa), pode ser uma boa ideia deixá-lo confinado até que se acostume com o novo ambiente. Coloque a caixa no cômodo onde ele vai ficar e permita seu fácil acesso. Limitando os lugares ao alcance do bichinho, você diminui a extensão dos estragos caso eventuais “acidentes” aconteçam.
    • Para facilitar a sua vida, procure deixá-lo em um lugar com o piso mais prático de limpar (ou seja, nada de carpetes) para quando o felino fizer suas necessidades fora do devido lugar.
    • Mantenha a caixa de areia o mais longe possível do pratinho de comida e da cama do bichano. Se puder, coloque o banheiro no lado oposto de onde ele dorme e come.

 

  • Limpe completamente as áreas onde ocorrerem “acidentes”. Se o seu felino fez xixi ou cocô fora da caixa, elimine totalmente quaisquer vestígios de urina ou fezes. Esse cuidado ajuda a diminuir as chances de que esses “deslizes” se repitam no mesmo lugar.

Você pode conferir mais dicas aqui neste site de onde retirei as minhas ;D

Se o “acidente” acontecer aqui tem algumas dicas de como limpar o local e ajudar a evitar que ele aconteça novamente.

Bom, o Panco segue super bem na sua adaptação e a cada dia fica mais amável. Ele merece uma família amorosa e que encha ele de carinho. Se você quer adotar o Panco você pode fazer isso clicando aqui.

E se você não pode ajudar adotando veja estas outras formas de ajudar a Resgatinhos. 

Você pode ajudar também divulgando este post para ajudar o Panco a encontrar um lar :D Vamos ajudar o Panco?  #AdoteoPanco o/

 

Se você tiver alguma dica para me dar é só comentar abaixo :D

Diário do Panco – Dia 1

por Mel Mel

Bom, como a maioria de vocês talvez ainda não  conheça minha história com os bichinhos,  vou resumir bem brevemente aqui pois esse post é  só  do Panco. Se você quer apenas saber sobre ele pule os próximos parágrafos :D

20150813_162354

Um pouquinho sobre mim :D
Desde muito criança eu sempre  recolhi animai  da rua e levei  para casa  para que “eles ficassem lá até  estarem fortinhos” claro que essa desculpa para adotar  os bichinhos da rua durou pouco hehehe.  Minha família apesar de sempre se preocupar com o que iria acontecer quando o bichinho morresse (e na época era comum por que eu  tinha vizinhos  que gostavam  de envenenar os gatinhos) tentava me proteger desse sofrimento, mas não adiantava salvar animais da rua estava no meu sangue e mesmo quando criança  eu via aquilo como minha missão. Meu pai é veterinário e minha mãe enfermeira então acho que herdei deles o amor pelos animais e a paixão por cuidar de quem precisa. Enfim quando fui morar sozinha em uma kitnet e em uma cidade  longe  da minha família tentei adaptar meu gatinho que foi  criado solto no interior a minha gaiola hehehe e claro que ele não  gostou da ideia e por isso eu devolvi ele a casa dos meus pais no interior onde ele  já estava  acostumado e poderia ser muito mais  feliz.
Eu sabia que seria difícil  ajudar  gatinhos  morando em uma kitnet mas eu realmente queria isso, me fazia mal pensar neles na rua em dias de chuva,  correndo risco de ser atropelados e tantos outros perigos. Buscando  na Internet por ONGs que precisavam de voluntários conheci  o trabalho de lar temporário ( casa de passagem)  e vi que sim  eu poderia  ajudar  dessa forma. Me inscrevi na ONG Paar lá de São Leopoldo  e logo de cara  já cuidei de uma ninhadinha de 4 bebês lindos.  A partir daí  não  parei  mais.  Pelas minhas diversas casas (sim mudei bastante hehe) já passaram em média 50 gatinhos *-* . No ano passado mudei para Campinas com intenção de ficar pouco tempo por aqui e por isso fiquei me segurando para adotar ou fazer passagem, alimentava apenas os mais 50 gatos que moram na escola na frente de casa. Porém como algumas adversidades aconteceram e fiquei um tempinho a mais resolvi procurar uma ONG para ajudar por aqui também. Já conhecia o trabalho da Resgatinhos desde o tempo que escrevi meu TCC e sempre admirei demais, quando descobri que a ONG ficava aqui em Campinas não pensei 2 vezes e me ofereci para fazer lar temporário. Tudo isso pra dizer que: “Foi aí que o Panco entrou na minha vida”.

Como o Panco entrou na minha casa e na minha vida
Desde o primeiro contato com a Resgatinhos eu fui super bem tratada e recebida, me senti parte da ONG desde então. Conversando um pouco sobre os gatinhos que necessitavam de um lar temporário fiquei sabendo que maior urgência era para 2 gatinhos que estavam há praticamente 1 ano nas gaiolinhas, um FIV +  e um FeLV+ logo eles não poderiam vir juntos para a casa de passagem. (Você pode saber mais sobre essas doenças no blog da Regastinhos aqui sobre FeLV e aqui sobre FIV). Deixo bem claro aqui que eles são super bem tratados no local mas todo mundo sabe que não é um ambiente ideal para que um animalzinho tenha uma vida digna né? De pronto respondi que por mim não teria problema algum em fazer passagem para qualquer um deles pois seriam “filhos únicos” aqui em casa. :D Fui convidada a conhecer eles e assim o fiz. Conheci o Vovô (você pode ver o perfil dele aqui) e o Panco (você pode ver o perfil dele aqui) e foi paixão a primeira vista pelos 2. Na verdade por todos que estavam lá hehehe. Panco, se jogou de barriguinha pra cima pedindo carinho, ficou em meu colo por um tempão, não tinha como não amar aquele gatão carente. Marcamos a entrega dele aqui em casa para quinta,13/08(ontem) e é sobre essa adaptação dele que quero contar para vocês a partir de agora.

20150814_113635

As primeiras 24h
Panco chegou e claro estava assustadinho, algo super normal para quem passou um tempão em um espaço limitado e agora tinha um espaço grande para brincar, correr, caminhar etc etc… Optamos por deixar ele preso em um dos cômodos para não causar um estresse maior e aos poucos iremos fazer ele conhecer o resto da casa.  Nos primeiros momentos ele encontrou um lugarzinho para ficar escondido (atrás do fogão) mas em nenhum momento se mostrou feroz ou super assustado. Tanto que não demorou muito para que eu conseguisse pega-lo no colo e que a fofura começasse. Panco se sente muito protegido quando está no colo e por isso segurei o potinho de comida e agua para que ele comesse enquanto estivesse no colo. Ele comeu pouquinho talvez por ainda não se sentir 100% seguro no novo ambiente. Eu acho isso normal já aconteceu outras vezes na verdade alguns bichinhos que passaram por mim as vezes só comiam depois de algum tempo e com o Panco, apesar de ter sido pouquinho, foi super rápido.  Logo ele descobriu outros lugares para “se sentir seguro” ficou um tempinho atrás da geladeira, um tempo atrás da máquina de lavar, mas sempre que pegava ele no colo ele se sentia seguro e não queria sair de lá. Na hora de dormir deixei todos apetrechos dele bem pertinho, preparei uma caixinha com a cobertinha que durante o dia tinha tentado fazer pegar o cheirinho dele, a comida, a agua e a caixinha. Assim tudo que ele precisasse estaria bem pertinho dele. A noite foi tranquila, sem choros e quando acordei e fui ver como o Panco estava recebi até um Miau de bom dia, tem como não se apaixonar por um gato assim? SPOILER: Não, não tem! Até o momento já tivemos muitos avanços como vocês podem ver nas fotos :D. Recebi pãozinho, e ele até já venceu o medo e brincou timidamente além de muitos ronrons. Hoje ele se assustou com um barulho e correu para traz na máquina de lavar, pouco tempo depois eu chamei ele e ele veio até a metade do caminho, ainda meio desconfiado mas demonstrando que já está conhecendo o ambiente e ganhando confiança. Tudo isso em 24h! Sério o Panco me surpreendeu demais com a rapidez com que tem evoluído na adaptação aqui em casa. Eu pretendo contar as novidades sobre ele aqui no blog conforme forem acontecendo então fiquem de olho :D

20150813_163533 20150813_165155

Por que adotar o Panco se ele já está em uma casa?
Você pode se perguntar isso né? É bem comum achar que como os gatinhos estão em casa de passagem eles não tem pressa de encontrar um lar definitivo. É aí que você se engana, adotando o Panco  você não estará ajudando apenas ele mesmo, você estará abrindo vaga para que outro gatinho saia da rua ou da gaiola e possa vir para um lar temporário. Tenho certeza que ele te fará muito feliz, o Panco é ideal para quem quer um gato calmo, carinhoso e que adora colo e sabe o melhor de tudo? Ele é adulto e por que isso é bom? Por que essa vai ser a personalidade ele sempre. Adotando um gatinho adulto você já conhece a personalidade dele e evita surpresas no futuro. Sem contar que todo filhote amadurece né? Então por favor reconsidere adotar um animal adulto ;D Eles também merecem a chance de ter lar.

20150814_134233

Ta bom Mel, você me convenceu quero adotar o Panco o que eu faço?

É bem simples, as instruções estão todas aqui.

Não posso ajudar adotando o Panco tem algo que possa fazer?
Claaaaroo! Dá uma olhadinha aqui no site da Resgatinhos pra saber como ajudar. Além disso, você pode divulgar este post e as fotinhos do Panco para amigos de Campinas e região, vai que algum deles se apaixone por ele?

Em breve mais novidades e vídeos do Panco! :D

Hackathon de crochê na CPR

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Agora que estou com mais tempo livre resolvi escrever sobre alguns assuntos pendentes, e um dos que mais achei interessante foi o Hackathon de crochê na Campus Party Recife de 2014.

14559191700_39528f9133_zUm cara que eu admiro muito, dentro e fora da comunidade Mozilla, é o Fabrício Zuardi, e viajamos pra CP Recife junto com outros Mozillians. Fizemos várias atividades bacanas lá, conhecemos várias pessoas muito legais, mas uma das que mais gostei foi o crochê.

O Zuardi estava lá fazendo altas coisas bacanas e disposto a ensinar e resolvi tentar aprender também, mas como não poderia deixar de ser, sou uma grande lástima com trabalhos manuais. Aprendi o ponto correntinha e nada mais além disso. Consegui fazer uma pulseira com linha matizada para minha filha e nada a mais 🙁

14559217578_0aec4f4c44_zSem dúvida, essa foi a experiência mais diferente e uma das melhores que tive em um evento de TI.

Um dia talvez consiga fazer uma capinha bacana em forma de raposa que tem lá no Blog do Zuardi, mas até lá tem muito treino pela frente…

14745875825_88e80f1608_z

Links úteis

Site do Zuardi – http://fabricio.org/
Capinha bacana de raposa – Não achei, ver com o zuardi

Por que ensinar a Web?

por André Garzia

Inclusão digital

Muito se fala sobre inclusão digital no Brasil e em geral todo mundo apoia a idéia porém nem sempre paramos para analisar o porque isso é importante. Tem gente que pensa que a inclusão é somente uma forma de agregar valor a um currículo e se tornar mais interessante profissionalmente, eu discordo disso pois acredito que a inclusão digital vai muito além das oportunidades profissionais.

Para uma inclusão digital real precisamos conversar um pouco sobre alfabetização e letramento web. Alfabetização é o domínio da técnica de leitura e escrita, letramento é a pratica social que envolve essas técnicas. A situação atual da web é semelhante a uma época bem antiga onde poucos eram alfabetizados e menos ainda eram letrados. Um tempo de escribas dominando as técnicas e do público incapaz de colocar sua voz no papel. A maior parte das pessoas na web vive em uma situação quase que de analfabetismo funcional digital onde as pessoas utilizam parte da web porém não possuem os meios para criar conteúdo.

A web é o único meio de comunicação de massa onde o público pode distribuir seu próprio conteúdo.

Enquanto na TV, rádio e mídia impressa, a distribuição de conteúdo de forma democrática e acessível para todos é impossível, na web ela está à uma LAN house de distância. Ensinar as pessoas como utilizar a web tanto como leitores mas também como produtores é um fator essencial para participação no século 21. Imagine viver em um mundo onde as pessoas sabem ler porém somente 10% sabe escrever. Esse é o mundo que vivemos atualmente. Saber o básico sobre escrita é fundamental mesmo que você não tenha pretenções de se tornar um escritor de livros imortalizado pela Academia Brasileira de Letras. Nesse breve artigo vamos conversar um pouco sobre algumas consequências interessantes da alfabetização e letramento web.

Consumidores se tornam produtores

A partir do momento que as pessoas aprendem que existe uma web além do Facebook e YouTUBE, um mundo novo de oportunidades se abre. Desde entender que nem todo conteúdo que está disponível online deve ser tomado como verdadeiro (endenter sobre credibilidade online), passando por perceber quando o conteúdo visualizado é na verdade uma potencial ameaça eletrônica a sua segurança (aprender sobre virus, scams, privacidade, etc), pela descoberta de novas fontes de conteúdo e oportunidades de aprendizado online e passando pela infinidade de novas relações humanas estabelecidas ao redor do mundo pois na web as distâncias físicas não importam tanto assim.

Isso tudo se torna possível quando os atuais usuários passam a entender mais sobre o funcionamento e a utilização da web. Quando eles aprendem a produzir a web então temos uma das coisas mais mágicas possiveis:

Uma web feita por todos e para todos!

A Web passa a ter a cara de cada um que produz conteúdo. É um caleidoscópio que toma a forma que o coletivo quer. Os que até então eram simplesmente consumidores passam a ser produtores de conteúdo e passam a trazer a suas vozes, suas experiências, seus desejos para o mundo online. Assim construímos uma World Wide Web mais Brasileira.

Conteúdo de importância local

Quando a Web passa a ter a voz de todos passamos a ter mais conteúdo de relevância local. Nem sempre o que é importante para você, para o seu bairro ou para o seu grupo de pessoas, é aquilo que passa na TV ou no rádio. Em uma comunidade de pessoas que entendem sobre a web, o conteúdo local vem a tona e em vez de simplesmente consumirmos conteúdo de longe, passamos a poder ver aquilo mais próximo de nós que nos afeta.

O conteúdo local é primordial para a participação cívica online. Desde de reivindicar os seus direitos até denunciar irregularidades. Fazer propaganda do seu novo negócio ou mesmo contar uma história do folclore da região.

A criação de conteúdo local não é só sobre o presente mas também sobre a manutenção de memória da região. O que aconteceu, o que está acontecendo e o que queremos que aconteça.

Somente quando as pessoas tem voz online que o resto do mundo consegue escutar o que elas querem dizer.

Criar suas próprias soluções

Uma pessoa que sabe cozinhar não precisa comer fora todos os dias ou depender de alguém para fazer comida. Uma pessoa que sabe fazer web não precisa necessariamente utilizar sistemas de terceiros para construir e distribuir seu conteúdo ou contratar um web designer sempre que quiser colocar algo online. Saber cozinhar não eliminou a existência dos restaurantes da mesma forma que saber fazer web não vai eliminar a existência de web developers e designers profissionais.

Resolver pequenos problemas é parte importante de se tornar senhor do seu próprio destino online. Criar uma pequena página de contatos na intranet da sua pequena empresa; fazer aquela página com fotos e videos do novo membro da família e convidá-los para o seu aniversário; anunciar seu novo negócio e estabelecer uma presença online; criar um breve formulário para agendar atendimento no salão de beleza. Existem inúmeros problemas do dia a dia da vida de cada um cuja a solução pode passar por uma simples criação na web.

Mesmo em situações onde for necessário ou desejado contratar um profissional web para resolver, você estará em uma situação muito mais bacana para conversar e decidir sobre o projeto se você entender como a web funciona. É como ir ao mecânico sem entender de carro ou entendendo, é uma experiência bem diferente.

Oportunidades para mudança de vida

A partir do momento que os portões desse recurso público que é a web se abrem para o público também surgem inúmeras oportunidades para mudança de vida. Desde finalmente aprender direito aquele conteúdo que foi mal ensinado na escola até mesmo descobrir novas paixões e mudar de carreira. A web possui o potencial de oferecer mais oportunidades que qualquer outro meio de comunicação ou repositório de conhecimento.

Cursos online poder ser uma forma de se capacitar para arranjar o primeiro emprego. Grupos de interesse comum podem ser o inicio de um novo negócio. Casais surgem online e seguem juntos pela vida a fora. Não dá para dizer quais oportunidades surgirão na vida de cada um porém é seguro dizer que qualquer um que mergulha na web e vai além do lugar comum onde estão aqueles que simplesmente consomem a moda do momento descobrirá um mundo de novidades.

É como aprender a ler e escrever e então ser capaz de ler livros, passar mensagens instantâneas, entender contratos, deixar histórias para as gerações futuras. A web contém um mar de conhecimento, um arquipélago de relações possíveis e uma interligação entre pontos que nenhum outro meio possui. Ela está no seu computador, no seu smartphone, na LAN house do seu bairro, nos computadores da escola, na TV. As potencialidades da web não podem ser resumidas em um simples artigo pois ela é aquilo que nós criamos juntos e a constante mutação da web é uma das suas qualidades.

Passando o conhecimento adiante

E o mais legal é que as pessoas podem aprender tudo sobre a web uma com as outras. Não é necessário fazer um curso longo (nada contra cursos longos) ou uma prova, basta sentar junto com alguém que sabe um pouco mais e trocar experiências. O sistema de ensino informal criado pela Mozilla chamado Webmaker ensina a web através de oficinas informais de aprendizado onde mentores trabalham lado a lado com os participantes ensinando e aprendendo novos conceitos. Hoje você pode ser um participante em um evento, no encontro seguinte poderá ser mentor de um novo participante. Passar o conhecimento adiante criando uma rede distribuída informal de conhecimento é como construir uma web feita de pessoas, linkando uma com a outra e trocando conhecimento. Não existe forma melhor de aprender a web do que agindo como a web.

Participe dos eventos do Webmaker, se tiver alguma Maker Party na sua região não perca, fique de olho para os Mozilla Clubs que são espaços onde as oficinais informais do Webmaker acontecem de forma recorrente. Nosso método de ensino e aprendizado chamado Ensine como a Mozilla pode ser aplicado aos mais diversos contextos. Existem muitas iniciativas bacanas para ensinar a web acontecendo no Brasil. Você pode fazer parte e nos ajudar a construir uma web mais Brasileira.

Firefox Day SSA – O evento

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Então domingo aconteceu o Firefox Day!

Estava super apreensivo com esse encontro, foi o primeiro que organizei totalmente sozinho e com financiamento, sem falar das vezes que tive de adiar, os outros colaboradores que não puderam ir e a mudança do local.

Cheguei cedinho ao local, a sede da Colivre, uma cooperativa de software livre super parceira das iniciativas de software livre aqui em Salvador, e logo depois chegou um dos sócios fundadores da colivre, o Aurium. Domingo o prédio não funciona, o porteiro não estava trabalhando, então tivemos de ficar de porteiros até o pessoal chegar. Deixamos um aviso no portão e fomos para a sala.

O clima do encontro foi bem bacana, nada em tom de palestra, mas sim de um bate papo mais descontraído, seguimos o planejamento que tinha feito, falamos do Raul hacker club já que iria acontecer nesse espaço, falamos da Colivre e do Noosfero, e depois falamos da fundação Mozilla, da Mozilla Brasil, software livre, os projetos na Mozilla, formas de contribuir e por fim passamos para as sessões práticas.

A primeira sessão de mão na massa foi a de localização, muitas pessoas gostaram e criaram contas no Locamotion e então localizamos algumas strings do projeto firefox os versão 2.2.

A segunda sessão foi voltada para a contribuição com código, fomos passo a passo, baixar um projeto no mercurial, fazer a primeira compilação, escolher um bug, trabalhar nele, rodar os testes, gerar um patch e enviar, essa nem todas as pessoas conseguiram acompanhar, pois nem todos eram programadores, mas foi divertido, e as pessoas viram que contribuir com código não é coisa de outro mundo.

Ao final ainda batemos papo, falamos sobre outras áreas de contribuição e já me solicitaram um novo encontro.

Por problemas com a minha maquina fotográfica, as imagens posto em outro momento.

Depois de uma saga homérica, consegui o cabo de dados para a máquina e consegui postar as imagens aqui.

Flisol SSA 2015

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Sábado agora (25/04) aconteceu o festival de instalação de software livre – flisol salvador.

Apesar de ajudar na organização, não achei que deveria submeter uma talk, visto a discussão que girou em torno de instalar o Ubuntu ou não por se tratar de algo “não livre”, já que iria enviar uma talk sobre a Mozilla, e o principal produto da Mozilla, é o Firefox, que não é livre (por que a Mozilla protege justamente a marca).

Além disso, estou na reta final da faculdade, montando a apresentação do TCC que acredito que acontecerá ainda este mês, por isso só resolvi aparecer durante a manhã, para assistir algumas palestras que me interessavam, além de rever os amigos e prestigiar o evento. O problema é que no sábado aconteceu mais um chuva forte que atrapalhou a ida ao evento de um amigo que iria palestrar no primeiro slot, e não conseguiu, não tinha mais nenhum outro palestrante lá além de outro organizador que não tinha terminado a sua palestra, então me dispus a apresentar a palestra que fiz na SECOMP do ano passado sobre o Firefox OS.

A apresentação foi tranquila, e um pouco mais corrida, já iniciei com alguns minutos de atraso, mas acredito que o público gostou, mesmo apontando os velhos problemas de Firefox OS no Brasil.

Pra mim ficou evidente que algumas pessoas mesmo indo para um evento de software livre, não possuem a menor sensibilidade a causa verdadeiramente, e isso me deixa bastante frustrado. Algumas pessoas levantaram apenas questões técnicas, desempenho, usabilidade e etc em comparação aos dispositivos que eles usam, mesmo explicando que o público alvo dos aparelhos que chegaram ao Brasil não era esse, e ainda que a Mozilla não fabrica e nem vende telefones, uma pena enfim…

Mozilla Brasil no IX SOLISC

por Ricardo Pontes

No último final de semana de abril aconteceu em Florianópolis/SC o IX SOLISC.

Um evento que visa divulgar e abordar tecnologias FOSS e Open Source.

Esse ano o evento contou com presenças como Jon Maddog, André Noel, Kemel Zaidan e claro, alguns colaboradores da Mozilla Brasil: Valéria Barros, Guilherme “Torto” Berghauser e esse cara que vos escreve.

Tivemos três palestras relacionadas a Mozilla. Duas não técnicas abordando a parte de comunidade e software livre e uma sobre desenvolvimento de apps para Firefox OS

Valéria e eu dividimos o mesmo espaço para falar sobre quais são as maneiras para contribuir com a Mozilla e também para falar sobre o projeto Womoz. Um projeto que visa dar maior visibilidade para as mulheres no mundo das comunidades de software livre (que infelizmente ainda é bastante machista).

Torto abordou o lado técnico e deu uma excelente palestra demonstrativa de como desenvolver apps para Firefox OS utilizando Cordova.

Em ambas as palestras percebemos gente interessada no projeto e na filosofia da Mozilla e alguns aproveitaram e vieram conversar conosco após as palestras e provavelmente vão fazer parte de uma comunidade defensora da web aberta 🙂

Sobre o evento, tivemos um total de 150 pessoas visitando o evento durante os dois dias. É um número abaixo do esperado para esse ano, mas de qualquer maneira foi produtivo para todos os presentes.

E aproveito para agradecer ao pessoal da organização por todo apoio prestado ao membros comunidade Mozilla Brasil antes, durante e após o evento. Conte conosco quando precisar 🙂


en_US

At the end of last week we were present in IX Solisc, at Florianopolis/SC.
An event that aims to promote FOSS and Open Source technologies.

We had three talks related to Mozilla. Two non-technical talks about free software community and free software politics and one talk about developing apps for Firefox OS

Valéria and I shared the same space to talk about what are the ways to contribute to the Mozilla and also to talk about the Womoz project. A project to give greater visibility for women in the world of free software communities (which unfortunately is still quite sexist).

Guilherme spoke about the ‘technical side’ and gave an excellent talk/demonstration of how to develop apps for Firefox OS using Cordova.

About the event, we had a total of 150 people visiting the event over the two days. It is a number lower than expected for this year, but anyway was productive for all present.

Some photos:

Mozilla Brasil RIC_MG_7066 RIC_MG_7064 RIC_MG_7062 RIC_MG_7057 RIC_MG_7053 RIC_MG_7049 RIC_MG_7043 RIC_MG_7039 RIC_MG_7037 RIC_MG_7035 RICIMG_2751

RIC_MG_7078 RIC_MG_7076

 

WoMoz Week Brasil, mais que uma homenagem, um exemplo a ser seguido

por Mel Mel

A cidade de Gaurama, interior do Rio Grande do Sul, foi escolhida como palco para a homenagem do WoMoz para o dia internacional da mulher. Esse também foi o primeiro evento do projeto no Brasil. Para estrear com o pé direito, o público foi escolhido a dedo: mulheres que moram na zona rural da cidade e que nunca haviam tido contato com um computador. Como homenageá-las? Levando-as até a frente de um computador e mostrando que nunca é tarde para aprender como a Web pode facilitar e empoderar qualquer pessoa. Fizemos isso levando internet até a zona rural da cidade ao invés de levá-las à cidade em algum lugar com internet. Justamente com o evento, mostramos que o acesso à tecnologia pode acontecer em lugares onde antes nunca se imaginava. Mesmo sendo um local onde a tecnologia demora um pouco mais para chegar, e levar a tecnologia para a zona rural, onde essas mulheres estavam, fez com que todas elas se sentissem mais a vontade.

Antes de tudo que tal dar uma olhadinha na matéria que RBS TV fez sobre o evento:


Acesse o link direto para assistir com melhor resolução.

Negociação
Fazer um evento como esse não é fácil e exige muito planejamento e horas de conversas com os responsáveis pela cidade. O primeiro passo foi fazer as autoridades da cidade acreditarem nos projetos e na missão da Mozilla. Contamos  e mostramos para eles um pouco sobre tudo o que rolava no Brasil e no mundo dentro do Webmaker e do WoMoz, e isso bastou para que eles comprassem nossa ideia. Bastava agora adequar o projeto para a população local e, claro, escolher um local para que as oficinas acontecessem. Fizemos isto em mais 2 conversas, uma para definir local e público e outra para qual metodologia seria utilizada. Toda essa negociação levou vários meses, contando com várias conversas por telefone, vários e-mails e também algumas visitas à prefeitura durante todo esse período.

O local
Após estas definições, precisávamos escolher um local que representasse propriamente e que pudesse ser utilizado pelo nosso público mesmo após o término do evento. A sugestão que foi logo aceita por todos foi a Escola Santo Izidoro, que se localiza na zona rural de Gaurama, na comunidade de Vila Jardim. A escola tem aproximadamente 70 alunos, tem ensino infantil e fundamental e um método de ensino super legal. Lá são os próprios alunos que cuidam da escola. Eles desenvolvem projetos como cuidar da horta, de animais, de  algumas árvores e da cultura de alguns grãos. A escola ainda não possuía acesso a internet, assim como várias outras escolas localizadas em zonas rurais no Brasil. Levar as oficinas para lá daria além do acesso aos alunos e professores o acesso a comunidade local em um novo telecentro para a população da cidade, empoderando assim os cidadãos para que pudessem conhecer o mundo que web proporciona.

É claro que levar o acesso até lá não era algo simples, mas o governo municipal se propôs a fazer isso acontecer. Como citado antes, a escola fica situada na zona rural e nem mesmo sinal de celular chega lá, ou seja, a ideia de usar 3G estava descartada. Nem mesmo telefone fixo a escola possuí, o que dificultaria bastante levar internet que depende de linha telefônica para lá também. Sendo assim, a opção encontrada foi usar o acesso a rádio. Mas nem assim o acesso foi simples: foi necessário colocar uma antena com repetidor no meio de uma plantação de soja! Esta antena e o repetidor precisam de energia elétrica, e são atualmente alimentados com uma bateria que é recarregada utilizando energia solar, pois no meio da plantação era impossível levar energia de outra maneira. Os esforços não foram em vão! O espaço montado ficou muito bom e a internet funcionou o/ Que Gaurama sirva de exemplo para mostrar que podemos SIM levar internet para qualquer lugar e que isso seja replicado em inúmeras cidades pelo mundo.

O público
Convidamos aproximadamente 300 mulheres que residem na zona rural de Gaurama para que fizessem seu primeiro acesso a internet. A escolha do público se deu por que queríamos homenagear as mulheres Gauramenses de uma maneira especial. Escolhemos as mulheres do campo por que nos últimos tempos os computadores e a internet tem chegado a  casa dessas pessoas porém por medo e receio eles acabam ficando restritos ao uso dos jovens que residem nas casas. E entendemos que todos devem ter acesso e saber como utilizar  destas tecnologias. Além disso, as mulheres ficam mais tempo em casa e normalmente são mais engajadas no processo de educação, por isso decidimos começar nosso “batizado digital” por elas.

A presença das participantes foi comprometida pela greve dos caminhoneiros que estava acontecendo em todo o Brasil durante esta semana, o que afetou diretamente a rotina das nossas convidadas. Por exemplo, o leiteiro, que costuma fazer coletas de leite diariamente para posterior redistribuição, não estava recolhendo o leite nas comunidades. Varias mulheres estavam tendo que dedicar seu tempo (em alguns casos, dias) para produzir laticínios, para não desperdiçar a produção.

Outro vilão, o principal, que comprometeu a presença de alguma participantes nas oficinas foi o medo. Muitas mulheres não compareceram à oficina por que ainda tinham receio, ou por que não pensavam que aquilo seria importante para elas. Mesmo assim, tivemos um ótimo publico presente e pretendemos dar continuidade para que outras pessoas possam ter a chance de derrotar esse vilão.

Dentro desse público, tivemos algumas mulheres que mostraram o quão importante esta oficina seria na vida delas, antes mesmo das oficinas acontecerem. Foi o caso de uma senhora que teve problemas com o marido, que disse que caso ela fosse, ele não cobriria o trabalho dela, que não seria feito por ela não estar presente, e nem o dele, por ter sido deixado só. Como a vontade de ir para a oficina era tanta, a senhora madrugou mais cedo que o habitual no dia da oficina para fazer o tanto o trabalho dela quanto o do marido e poder ir à oficina sem ter nenhum problema com o trabalho na propriedade e sem maiores problemas com o marido. Outras tiveram que trazer seus filhos para oficina, por não ter com quem deixar a criança, incluindo bebês de colo.

Imediatamente após as oficinas, ouvimos diversas participantes já combinando de pagar um transporte do próprio bolso só para poder voltar ao telecentro e continuar aprendendo.

Estas mulheres são exemplos de vida, exemplos de pessoas que enfrentaram o medo e todas as outras adversidades só para comparecerem à oficina.

 O evento
Foram 10 oficinas que aconteceram durante a semana da mulher, cada uma com duração de aproximadamente 3h.

Como nosso público era composto de pessoas que em sua grande maioria nunca tinham tido contato com o computador, precisamos fazer uma oficina que ensinasse os primeiros passos para elas. Preparamos um material de apoio onde descrevemos qual era a função de cada parte do computador e os principais elementos da área de trabalho tanto do sistemas operacionais Windows (por ser o mais utilizado nas casas e nos computadores da cidade) e também GNU/Linux (no caso dessa oficina, o Linux Educacional), pois ele seria utilizado durante a oficina. E ainda poderíamos explicar as principais diferenças entre os dois sistemas operacionais, em especial os aspectos ligados a liberdade, e incentivar as então novas utilizadoras de computador a trocar o SO que possuíam nos computadores de casa por um mais seguro, mais fácil de usar e, principalmente, livre!

Nossas oficinas foram divididas em 3 partes: conhecendo o computador, conhecendo a área de trabalho e o OS e por fim, navegando na internet.

Na primeira delas, mostramos os componentes de um computador e a tarefa desempenhada por cada uma delas, encerrando ensinando as participantes a ligá-lo, o que foi um momento mágico para muitas delas, pois fizeram isso pela primeira vez durante a oficina, mesmo para aquelas que possuíam um computador em casa.

Já na segunda parte, mostramos os principais elementos da área de trabalho e explicamos como utilizar algumas funcionalidades. A principal dificuldade desta fase era a utilização do mouse, algo que pode parecer natural, mas que se tornava um desafio vencido a cada click no lugar correto para quem nunca havia ligado um computador antes, em especial para algumas mãos mais pesadas, calejadas pelo trabalho no campo. Mesmo com dificuldade, todas as participantes saíram da oficina com um domínio muito bom do periférico. Outra dificuldade, um pouco menor, foi a utilização do teclado. Algumas das participantes tinham a visão prejudicada, muitas vezes em função da idade avançada, e demoravam um pouco pra encontrar as letrinhas no teclado. Porém, assim como a dificuldade com o mouse, está também foi facilmente vencida pelas participantes que ao final da oficina conseguiram preencher nosso formulário de satisfação do evento digitando por si.

A última parte da oficina foi sem dúvida a mais divertida, o primeiro acesso a internet. Nesta parte, ensinamos o que é um navegador, para que ele serve e duas maneiras simples de navegar na internet. A primeira, quando já temos um endereço de uma página e queremos acessá-lo. Para isso, utilizamos um site de notícias da região norte do Rio Grande do Sul, mostrando uma das milhares de coisas que a internet pode ajudar e facilitar a vida da população. E a segunda, como pesquisar um termo em buscador. Utilizamos pesquisas simples como receitas de bolo e clima da cidade como exemplos de mais algumas funcionalidades úteis da rede. Todas as participantes conseguiram desempenhar estas tarefas sem maiores dificuldades.

Ao final da oficina, elas foram convidadas a preencher um formulário para dar opinião sobre a oficina. Ele também era online, após o preenchimento, realizamos a entrega de brindes da Mozilla, da Natura, que também nos apoiou durante o evento, uma muda de árvore cultivada pelos alunos da escola, além da entrega de uma mensagem super especial em homenagem ao dia da mulher e do certificado de participação da oficina.

O depoimentos
O que nos deixou mais feliz com esse evento foi sem dúvida ouvir das participantes quais foram as suas opiniões sobre ele. Selecionamos alguns dos depoimentos que foram deixados em nosso formulário para compartilhar um pouco desse nosso sentimento de alegria:

Nota 10. Eu nunca peguei no computador e consegui fazer bastante coisa, e os professores são bem calmos, pacientes, atenciosos. (81 anos, comunidade São Pedro)

Nota 10, pois sem esta oficina não sei quando conheceria a internet. É boa iniciativa moro no interior nunca tive acesso nem a um computador, adorei! (27 anos, comunidade Alto Caçador)

Nota 10, por que achei muito interessante e aprendi algumas coisas que eu não sabia e o pessoal foi muito legal pra ensinar. (37 anos, bairro Bela Vista)

Nota 9,5,  por que estava bom. Aprendemos bastante coisa. Estava tudo ótimo, gostei do curso. Se tiver mais, quero fazer!   (62 anos, comunidade Baliza)

Nota 10, com a minha idade, aprendi mais uma coisa. (76 anos, bairro Vila Jardim)

Se você quiser ter acesso a todas as respostas do formulário é só nos contatar ;D Além destes depoimentos por escrito, o que mais nos emocionou foi quando por diversas vezes éramos procuramos pelas participantes e ouvíamos algo do tipo:

“Eu achava que era mais complicado, mas foi bem fácil”

“Eu não tenho mais medo, vou chegar em casa e usar o computador do meu filho”

“Eu não queria ter vindo pois achei que seria difícil e agora que fiz pareceu muito fácil”

“Quando vai ter curso de novo? Quero fazer!”

“Gostei muito de hoje mas queria que isso continuasse”.

E nós também queremos que este projeto continue, que ele não morra e que essas mulheres e toda população de Gaurama continue aprendendo e tendo acesso a web. Para que isso seja possível, estamos trabalhando em conjunto com alguns voluntários para criarmos um Webmaker Club na cidade (assunto para outro post ;D). O que importa é que todas elas poderão sim continuar aprendendo e utilizando a web neste telecentro na zona rural da cidade.

 

Agradecimentos
O WoMoz Week Brasil não teria acontecido se não fosse pela dedicação máxima de cada um de seus idealizadores. Obrigada a Mozilla por ter tornado possível nossa ida até Gaurama para fazer com que o as oficinas saíssem do papel. Ao governo municipal de Gaurama e a todas secretarias do município que nos apoiaram por acreditarem em nosso projeto desde a primeira conversa e por ter feito todo necessário para que ele fosse possível, desde a instalação do novo Telecentro na zona rural até no transporte das participantes. À Natura, por ter doado vários presentinhos e ainda ter dado uma aula de automaquiagem para uma de nossas turmas. À Emater e em especial à Ana, por toda ajuda na hora de convidar as participantes e mostrar o quanto essa oficina era importante para elas, além do apoio durante todas as oficinas. Ao Armin Schuster, diretor da escola Santo Izidoro, que cedeu o espaço na escola para a criação do Telecentro e também nos apoiou na realização das oficinas. Agradecimento especial ao meu pai Domingos Devens, que sempre me ensinou o quanto era importante buscar conhecimento e que foi sem dúvidas o maior incentivador desse projeto, nos ajudando desde a primeira ideia até a execução. Se essas oficinas aconteceram, 90% do credito é dele. Obrigada de coração pai! À minha mãe, Marcia Devens, pelas horas e horas que dedicou a nos ajudar, por ter tirado férias só para poder nos ajudar e por ter conseguido o apoio das secretarias do município para o projeto. Aos voluntários Ricardo Panaggio e Samuel Moraes que junto comigo (Mel) preparam e fizeram cada uma das oficinas com toda dedicação e carinho do mundo, só quem é voluntário sabe o trabalho que cada evento traz e o quanto é gratificante cada gota de suor derramado para fazer ele acontecer. E claro, a todas as participantes que deixaram suas casas e afazeres durante um dia para nos dar a oportunidade de mostrar que podem sim aprender a web, não importa idade, classe social ou local onde residem. Que a coragem de vocês continue incentivando e inspirando pessoas, vocês são sem dúvidas exemplos de vida! Obrigada por tudo!Gostaria de encerrar este post com um pouco do que eu aprendi com esse evento. Nada é impossível se você tiver força de vontade. Não importa onde você mora ou a idade que tenha, sempre é possível aprender e ensinar. A vontade de fazer vence qualquer barreira, seja ela física ou mental. Gaurama conseguiu levar internet a um local onde muitos disseram que seria impossível e a força de vontade das pessoas e o esforço que empenharam nisso fez com que isso se tornasse possível. Ver cada sorriso e cara de satisfação por terem conseguido executar cada tarefa da oficina fez cada segundo do tempo e do esforço que todas estas pessoas dedicaram ao evento valer a pena.Obrigada a todas as pessoas envolvidas, obrigada a cada uma das mulheres que participou das oficinas. Que Gaurama sirva de exemplo pra inúmeras cidades ao redor do mundo, exemplo de que é possível levar acesso à internet e empoderar qualquer pessoa ensinando a ela a web.

Veja mais fotos de como foi o evento:

Hacking Gecko or 1011020

por Raniere

Hacking Gecko or 1011020

For some time now I want to be able to contribute to native support of MathML at Gecko but

  1. I only know C (not C++),
  2. I only program command line interfaces (not graphical user interface),
  3. I never program a “graphical framework”, ...

Frédéric recommended that I start with Bug 1011020 because shouldn’t be very hard to fix this bug. So I decided to give it a try.

Leia mais...

WhatsApp

por Raniere

WhatsApp

Vez ou outra alguém me pergunta se uso WhatsApp e eu respondo que não. Algumas vezes as pessoas chegam a perguntar por que e eu tenho que explicar porque não gosto de como ele funciona e por isso não uso.

Ontem, o André Garzia <http://andregarzia.com/> escreveu um post chamado WhatsApp doesn’t understand the web, ou “WhatsApp não entende a Web”, que apresenta alguns novos motivos para eu não usar o WhatsApp de forma que achei adequado traduzir o texto e deixá-lo de referência para a próxima pessoa que me perguntar se uso WhatsApp.

Nota

Essa não é uma tradução literal do post do André porque eu tirei os “palavrões” e as animações.

Leia mais...

Encontro da comunidade Mozilla Brasil 2014

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

No fim de semana do dias 13 e 14 de dezembro aconteceu o 1º primeiro encontro da comunidade Mozilla Brasil em Ribeirão Preto – SP, esses dois dias serviram para a comunidade planejar as ações para 2015.

O encontro começou na sexta à noite, com a chegada dos primeiros colaboradores a Ribeirão, infelizmente eu não consegui a liberação do trabalho e só consegui chegar no sábado as 11h.

Tive um pouco de dificuldades com o horário do voo, por causa da empresa na qual trabalho, estava em dia de entrega do projeto, e por isso não pude viajar durante a tarde. Peguei o voo de 3:40 e acabei chegando as 10h da manhã. Assim que cheguei já tinha uma van me esperando no aeroporto para me levar ao local do encontro. Assim que cheguei os colegas já estavam em uma atividade, a construção de uma matriz SWOT, falei com alguns amigos, e fui participar da atividade.

Durante a tarde houveram algumas palestras sobre temas diversos relacionados à Mozilla e a comunidade em geral, bem como alguns grupos de trabalho. Acabei tendo que fazer outras coisas pessoais durante a tarde e não pude participar dos eventos da tarde também.

A noite tivemos uma saída bem legal, conhecemos a cervejaria Invicta, que produz cerveja artesanal,  conhecemos todo o processo de fabricação, matéria prima, tipos de cervejas entre tudo que se pode aprender sobre cervejas, com direito a degustação!

No domingo as atividades começaram com uma dinâmica bacana, lightning talks de 3 minutos, palestras, depois tivemos GTs de trabalho e etc.

Participei do GT de desenvolvimento que iria ser dividido em web e Firefox, mas acabou sendo apenas de Firefox. O GT foi liderado pelo funcionário da Mozilla, Felipe Gomes. No GT pegamos um bug real do Bugzilla da Mozilla, conhecemos as ferramentas necessárias e fizemos o passo a passo para resolvê-lo. Foi bem legal, e deu para pegar o feeling de resolver um bug real. Tomamos mais alguns encaminhamentos sobre o que iríamos fazer em 2015 e fechamos as atividades.

Enfim, o encontro foi sucesso total, promoveu a integração entre os membros, discussões de idéias, melhorou o aprendizado entre outros benefícios.

Agradecimentos especiais ao pessoal que trabalhou para fazer o evento acontecer: Naomi, Jonathan, Hugo, Sérgio e Mariana. Sem falar que o espaço e as refeições estavam sensacionais! O Ambiente CoNéctar está de Parabéns.

E saudades dos caras que contribuem e muito para a comunidade mas não puderam aparecer, Samuel Moraes, Marco Krausse e Jeferson Hultmann.

Ambiente CoNéctar

Foto: Ricardo Pontes ©

Maker Party Juventude Conectada

por Mel Mel

Já deixo avisado aqui que após ler este post você sentirá uma vontade incontrolável de se tornar voluntário da Mozilla e sair organizando suas próprias oficinas de Webmaker por aí! :D

15716840691_9d4439b491_z
Dando continuidade ao trabalho que já vinhámos fazendo com os adolescentes do projeto Juventude Conectada de Campinas levamos para eles uma terceira oficina, eu diria que a mais divertida de todas. Uma oficina que ensina cada um a personalizar uma camiseta com seus próprios estencils. E para isso dividimos (ainda que de maneira incidental =P) a oficina em 2 partes em 2 dias diferentes. Bom, deixa eu contar um pouco sobre como organizamos essa oficina.

camiseta1
Esta oficina já havia sido feita em outros lugares do mundo durante a Maker Party desse ano e o Geraldo sugeriu que trouxemos para o Brasil durante a nossa Maker Party porém, por falta de datas acabamos atrasando ela um pouquinho mas trouxemos. o/ A primeira parte da oficina foi comprar os materiais, então em um dia típico de Campinas (sol queimando e bafo insuportável, diria que Campinas fez estágio com Porto Alegre sobre como ser insuportável no calor) saímos atrás de tudo que precisaríamos para produzir 50 camisetas. Para vocês terem ideia do quanto investimos nessa oficina, compramos 60 camisetas brancas, 10 latas de sprays, 10 folhas de cartolina, 5 estiletes, alguns lápis, borracha, fita adesiva e levamos algumas caixas de papelão para cortarmos e usar dentro das camisetas na hora de aplicar o spray. Desse material sobraram algumas camisetas e bastante spray então se você for comprar pode comprar menos spray semp problemas. Por aqui iremos utilizar as sobras em mais oficinas então não iremos disperdiçar nada!

15532932449_bd35be4592_z
Mas e aí como foram as oficinas? Nossa principal preocupação ao montar uma oficina sempre é unir o produto “offline” com o “online” e nessa não foi diferente, a ideia era documentar o processo da personalização da camiseta para que depois usassemos o material para produzir um vídeo que ensinasse qualquer um a fazer sua própria camiseta utilizando a ferramenta Popcorn Maker. Para isso separamos os adolescentes em grupos e pedimos para que eles revezassem o papel de “fotografo” da oficina, assim todos poderiam por a mão na massa e aprender a fazer desde o estencil até a camiseta e ainda documentariam a oficina.

15533906320_a28a5b2996_z

Como tinhamos apenas 3 horas por dia de oficina dividimos em dois dias de oficina, no primeiro fizemos a camiseta e a documentação do trabalho e no segundo dia utilizamos o material produzido para criar os vídeos. Para ter acesso aos vídeos da galera da manhã é só clicar aqui e para os vídeos da galera da tarde, aqui.

Eu também entrei na onda e fiz meu próprio vídeo, vejam:

PS: Vídeos com áudio podem demorar um pouco mais para carregar então optei por deixar o meu em silencio mesmo =P Cantem qualquer música enquanto assistem ele!

Vejam também as fotos que a galera fez da oficina:
Manhã:

Tarde:

Valeu galera do Juventude Conectada vocês são demaaaaiisss ;D

Em breve teremos mais oficinas com vocês!

Mozilla no SETI

por Mel Mel

Entre os dias 27 e 31 de outubro aconteceu na UFLA, em Lavras, a Semana Acadêmica de Tecnologia da Informação, e nós da Mozilla estivemos por lá com diversas atividades. Depois de algumas horas de ônibus chegamos em Minas, minha primeira vez por lá. :D

minas2

A cidade de Lavras me lembrou muito a cidade onde cresci, apesar de ser muito maior que Gaurama o clima de cidade do interior me fez me sentir em casa. Mas indo ao que realmente interessa, nossas atividades por lá.

A primeira delas, aconteceu na quarta, 30, e foi uma palestra sobre a comunidade Mozilla Brasil e como todos os presentes poderiam fazer parte e contribuir com ela. Nesta palestra mostramos um pouco do trabalho dos voluntários e as várias áreas onde precisamos de contribuidores. Pelo grande número de pessoas que apareceram na lista de e-mails da comunidade nos últimos dias eu considero que a palestra foi um sucesso. :D

minas 2

Logo depois veio uma palestra sobre Firefox OS e como sempre o sistema operacional mobile da Mozilla causou grande curiosidade na platéia, o interesse foi tanto que o Panaggio foi convidado a participar de uma mesa redonda que debatia sobre qual era a melhor plataforma para se desenvolver. Essa mesa acabou virando um “Conheça melhor o Firefox OS”, o que nos deixou muito feliz em ver o interesse dos estudantes em aprender mais sobre nossa plataforma.

minas

Já na quinta, ganhamos uma tenda super legal onde passamos a manhã inteira conversando com a galera presente no evento. Durante a tarde tivemos outra palestra na grade dessa vez, sobre o Webmaker. E claro, falar sobre o Webmaker sempre me deixa super animada, sem dúvidas esse é o projeto que mais me identifico dentro da Mozilla e poder incentivar pessoas a ajudar outras ensinando web é sempre maravilhoso. Contar um pouquinho do que está rolando no Brasil, ou ao menos em São Paulo, dentro do Webmaker me deixa super feliz por que sempre faz a cabeça de quem está na plateia fervilhar e sempre nascem ótimas ideias de oficinas e projetos para o Webmaker. Desta vez não foi diferente, várias pessoas vieram até nossa mesa depois da palestra para assistir aos demos e perguntar mais sobre o projeto. Por isso eu sempre digo, Webmaker é amor! <3

minas1

Quero deixar um obrigada especial ao pessoal da organização do evento e aos meninos da comunidade que convidaram a gente para participar deste evento! Obrigada por toda hospitalidade e pelo frango frito! :D
Agora é hora de ajudar toda galera nova a encontrar um cantinho com o qual eles gostariam de contribuir e continuar incentivando a sua participação na comunidade! Sejam todos bem vindos a Mozilla Brasil!

 

Maker Party: Faça um estêncil em sua camiseta

por Mel Mel

Não conhece nenhum lugar que faça camisetas por perto e quer ter uma super personalizada? Sem problemas! Use estêncils! Te ensinamos como criar uma camiseta super especial e fácil de fazer com eles.

Materiais necessários

  • Estilete / tesouras são uma laternativa também
  • Impressora (ou um amigo que desenhe bem ;D)
  • Sprays de sua cor preferida. Existem sprays especiais para tecidos se você utiliza-los as cores serão mais fiéis.
  • Papelão (Muiiiiito papelão)
  • Camisetas brancas
  • Opcionais: Cola em spray
  • Faça download dos estêncils feitos especialmente para você!(PDF) Você pode produzir seus próprios desenhos!

Algumas dicas para facilitar seu trabalho:

Primeiro, veja esse tutorial de como produzir o seu próprio estêncil..

A técnica de utilizar estêncil é bem rústica o que faz com que seja muito fácil estragar a camiseta. Por isso aqui vão algumas dicas de como facilitar o seu trabalho.

  • Cortadora a laser: Se você tiver acesso a uma, perfeito!
  • Cartolina: Você deve cortar o seus estêncil em um papel cartão/cartolina. A folha de impressão não é grossa o suficiente.
  • Certifique-se de colocar um papelão dentre a parte da frente e a de trás da camiseta, caso contrpario a tinta pode vazar! Cuidado também para não encher a camiseta com suas impressões digitais. ;D
  • Ah! É claro, por favor faça isso em uma área onde você possa fazer bagunça. Ao ar livre com certeza é a melhor opção!

  • Se você possuir um secador de cabelos por perto, ele pode ajudar muito na hora de secar um pouco o spray, principalmente se você for utilizar mais de uma cor em sua camiseta.
  • Fica super divertido sobrepor alguns estêncils!

Agora é a sua vez. Seja criativo e faça sua própria camiseta!

Você pode acessar e remixar esse make aqui!

Maker Party: Faça seu estêncil

por Mel Mel

1) Escolha e imprima seus desenhos.

2) Faça seu estêncil

  • Se você não tiver uma cortadora a laser você vai ter que cortá-los na mão mesmo. Recomendamos o uso de um estilete.
  • A maioria das impressoras não imprimem em cartolina, mas você pode colocar o seu papel em cima de uma cartolina e cortar os dois juntos para obter um stencil muito mais robusto.

3) Spray

  • Use fita adesiva nas laterais para fixar o estêncil ao pulverizar.
  • Use o spray virado na direção da camiseta.
  • Use giz para proteger os lugares que você não quer sujar com o spray.

APROVEITE!

Você pode acessar este make e remixar ele aqui!

WoMoz – O retorno no Brasil

por Mel Mel

No dia 22 de outubro aconteceu a primeira reunião do WoMoz aqui no Brasil. Para quem não conhece o termo WoMoz é acrônimo de Women & Mozilla e tem como principal objetivo dar maior visibilidade e incentivar o trabalho das mulheres dentro do mundo de tecnologia em especial Open Source.  O WoMoz é um projeto que já existe a alguns anos porém nos últimos dias ele está voltando a receber uma maior atenção da Mozilla, aproveitando esse momento estamos reativando as atividades aqui no Brasil e foi sobre isso que tratamos nesta primeira reunião.
womoz1

Este primeiro contato foi essencial para definirmos nossos próximos passos. Durante aproximadamente uma hora os participantes falaram um pouco sobre o que esperam do projeto e conversaram sobre ideias de ações para ativarmos o projeto por aqui. Um fatos mais legais do WoMoz é que ele não é exclusivo para mulheres, qualquer pessoa que gostaria de incentivar o projeto é super bem vinda. Nesse primeiro encontro tivemos a participação do Ladeia contando sobre um aplicativo que tem como objetivo ajudar mulheres e transgêneros a denunciarem abusos que sofreram em transportes públicos.

Além da participação do Ladeia, a Déa contou um pouco sobre sua pesquisa de mestrado que envolve um tema muito pertinente para a comunidade do WoMoz e que sem dúvidas vai gerar conteúdo para um próximo encontro. A Cynthia Pereira levantou a ideia de já pensarmos em ações conjuntas para o dia 8 de março. Definimos também a criação de um espaço para o WoMoz nas páginas da comunidade Mozilla Brasil além da criação de um planet com posts dos participantes do projeto. Também ficou definido que iremos escolher uma data para nossas reuniões mensais, assim ficará mais fácil de quem quiser participar reservar um tempinho na agenda. Além dos participantes citados também tivemos a participação da Cynthia Zanoni, uma das responsáveis pelo projeto WAM, Edivânia, que apesar da ferramenta não ter ajudado nenhum um pouco também marcou presença e claro a minha (Mel).
leia1
Se você se interessou pelo projeto e quer fazer parte dele basta se inscrever na lista de e-mails da Comunidade Mozilla Brasil e se apresentar! Você também pode entrar em contato com a gente em nosso canal de IRC #womoz-br (irc.mozilla.org.br). Se quiser saber mais sobre o projeto pode acessar a página do WoMoz na wiki, logo ela estará localizada para português!

Code Castles – Como você pode ajudar a melhorar o jogo

por Mel Mel

O Code Castels é um jogo criado por Chad Sansing para ensinar indentação, abertura, fechamento e parentesco de tags. Por meio de cartas em um baralho, construímos fortificações, que devem ser equipadas e municiadas. Essa dinâmica é a parte lúdica do jogo, que apresenta os níveis de parentesco dos elementos, e as posições que eles devem ocupar dentro do código. Neste post pretendo ensinar vocês a montarem seu próprio baralho para que seja possível jogar e nos ajudar a melhorar a dinâmica dele que em nossa opinião ainda está muito demorada.

PS: O jogo original pode ser acessado aqui, este post é baseado no post feito pelo Coragem em seu blog, e você pode contribuir com melhorias neste pad!

Oficina Code Castles card game - Estação da Cidadania de SantosEu fazendo as cartas para a oficina de Code Castles na Estação da Cidadania de Santos, foto feita pelo Coragem.

Vamos começar então?

Como preparar seu jogo

Para jogar, você precisa das seguintes cartas:

  • 24 cartas de construções: 4x <Castelo>, 4x </Castelo>, 4x <Forte>, 4x </Forte>, 4x <Torre>, 4x </Torre>;
  • 24 cartas de fortificações primárias: 4x <Canhão>, 4x </Canhão>, 4x <Catapulta>, 4x </Catapulta>, 4x <Balista>, 4x </Balista>;
  • 8 cartas de fortificações secundárias: 4x <Aríete>, 4x </Aríete>;
  • 48 cartas de munição primária: 8x <Bala de Canhão>, 8x </Bala de Canhão>, 8x <Pedra>, 8x </Pedra>, 8x <Lança>, 8x </Lança>;
  • 16 cartas de munição secundária: 8x <Tropas>, 8x </Tropas>;

Totalizando 120 cartas.

Cada jogador deve cortar um conjunto de cartas e embaralha-las montando um baralho (ou deck). Cada jogador precisa de um baralho para jogar.

Além do baralho completo, cada jogador inicia com 10 pontos de vida.

Relações “Pai/Filho”

Um dos pontos focais do jogo é apresentar e explicar a relação de parentesco entre diferentes tags; isso é simulado pelos diferentes tipos de construções, fortificações e munições do jogo. Assim, algumas regras devem ser observadas:

  • Todas as construções podem abrigar qualquer tipo de fortificação;
  • As munições devem ser relacionadas exclusivamente com o tipo correto de fortificação, não podendo essa ordem ser modificada pelos jogadores. Assim: Balas de Canhão são usadas com Canhões; Pedras são usadas com Catapultas; Lanças são usadas com Balistas; Tropas são usadas com Aríetes.

Como jogar

  1. Para começar, cada jogador compra 5 cartas.
  2. Use a regra que preferir para decidir quem inicia: par ou ímpar, quem tira o maior número de um dado, etc.
  3. O primeiro jogador pode jogar qualquer número de cartas para começar a indentar munição dentro de fortificações e fortificações dentro de construções.
  4. Uma construção, fortificação ou peça de munição é contada como completa quando o jogador desce para a mesa tanto a sua carta de abertura quanto a de fechamento.
  5. No turno do jogador, ele pode “disparar” uma única peça de munição em seu oponente. Essa munição causa dano igual ao mesmo atributo na sua carta de fortificação “paterna”. O oponente pode escolher subtrair o dano de sua vida total ou sacrificar uma construção completa para absorver 1, 2 ou 4 pontos de dano. Qualquer dano restante após o sacrifício de uma construção deve ser subtraído da vida total do jogador.
  6. Os jogadores podem somente “disparar” munição de uma fortificação completa indentada dentro de uma construção também completa.
  7. Os jogadores que tomarem dano podem somente sacrificar construções completas.
  8. Munição “disparada” – exceto para as Tropas – deve ser descartada numa pilha de descarte próxima ao baralho do jogador.
  9. Quando uma construção completa é sacrificada, aquela construção e todas os elementos “afilhados” dentro dela devem ser descartados na pilha de descarte próxima ao baralho do jogador.
  10. O Aríete é uma fortificação especial, que indenta cartas de Tropas dentro dela. O jogador pode usar o Aríete sem sacrificar as Tropas dentro dele uma vez que o Aríete está completo e duas Tropas completas estão indentadas dentro dele.
  11. Cada jogador compra até completar 5 cartas na mão ao fim do seu turno.
  12. Nenhuma construção pode suportar mais fortificações que o número indicado na sua carta de fechamento.
  13. Nenhuma fortificação pode causar mais dano que o número indicado na sua carta de fechamento.
  14. Quando o jogador reduz a vida total do oponente a zero, o jogador ganha o jogo.

 Interpretando uma carta

Cada construção, fortificação e peça de munição tem uma carta de abertura e fechamento.

A carta de abertura para cada elemento mostra:

  • O nome do elemento como uma tag de abertura.
  • A classe do elemento – seja “pai” ou “filho”.
  • A subclasse do elemento – construção, fortificação ou munição.

A carta de fechamento para cada elemento mostra:

  • Uma barra ( / ) seguida do nome do elemento com a tag de fechamento.
  •  A quantidade de dano que o elemento pode absorver se sacrificado (apenas construções).
  •  A quantidade de dano que o elemento causa (apenas fortificações).
  • A quantidade de munição necessária para “disparar” um elemento (apenas fortificações).

Quando um elemento está completo?

No HTML, elementos geralmente recebem duas tags(existem algumas exceções) – uma de “abertura” e uma de “fechamento”. As tags aparecerem dentro de colchetes angulares ( < > ). Por exemplo, um parágrafo como este inicia-se com uma tag <p> e encerra-se com uma tag </p>. Você pode notar que tags de fechamento incluem uma barra ( / ), enquanto tags de abertura não.

No jogo, tendo uma construção completa, fortificação ou peça de munição significa que você desceu na mesa tanto uma carta de abertura quanto uma de fechamento para aquele elemento, como exemplo <Castelo> e </Castelo>.

O código de uma torre completa indentando um canhão completo pronto para “disparar” uma bala de canhão completa ficaria assim:

Torre completa, com um canhão completo e com a munição completa

E as cartas ficaram assim:

Torre completa, com um canhão completo e com a munição completaTorre completa, com um canhão completo e com a munição completa. Foto e cartas do Coragem.

Ou

Torre completa, com um canhão completo e com a munição completaTorre completa, com um canhão completo e com a munição completa. Foto e cartas do Coragem.

Atributos dos elementos

Castelo

  • pai
  • construção
  • + 4 defesa
  • 4 fortificações

Torre

  • pai
  • construção
  • +1 defesa
  • 1 fortificação

Forte

  • pai
  • construção
  • +2 defesa
  • 2 fortificações

Canhão

  • filho
  • fortificação
  • 4 dano
  • 1 munição

Catapulta

  • filho
  • fortificação
  • 2 dano
  • 1 munição

Balista

  • filho
  • fortificação
  • 2 dano
  • 1 munição

Aríete

  • filho
  • fortificação
  • 1 dano
  • 2 munições

Bala de Canhão

  • filho
  • munição

Pedra

  • filho
  • munição

Lança

  • filho
  • munição

Tropas

  • filho
  • munição

 

Como você pode ajudar?

O jogo está sob licença Creative Commons (CC-BY) e pode ser compartilhado e modificado; Chad Sansing encoraja e dá dicas aos jogadores para remixarem os elementos e as regras do jogo.  Então jogue com seus amigos, proponha mudanças que deixem o jogo mais convidativo e compartilhe conosco neste pad.

gatos jogando cartas

II Webmaker Work Weekend

por Mel Mel

Neste final de semana, 18 e 19 de outubro, aconteceu a segunda edição do Webmaker Work Weekend aqui em Campinas. A primeira edição que aconteceu em junho e dela nasceu a tão famosa Maker Party Week São Paulo. Já está edição serviu para planejarmos novas ações e fazer um feedback detalhado de tudo que estava rolando aqui no Brasil.

Uma surpresa boa desta segunda edição foi a participação de novas pessoas da comunidade que tiveram o primeiro contato com o Webmaker, obrigada pela participação Paulo e Ikaros, também contamos com a participação remota da Cynthia e do Rodrigo Waters além do pessoal de sempre Coragem, Raniere, Panaggio e eu. Ou seja dessa vez nosso evento caseiro cresceu, o/ valeu galera!

webmakerww2

O primeiro ponto abordado no evento foi o que funcionou e o que não deu certo na Maker Party Week SP. Concluímos que o trabalho foi muito bom por ter apenas 3 pessoas encabeçando a organização do evento. E claro ele não teria acontecido sem toda galera que ajudou por fora. Mas também vimos a necessidade de melhorar a divulgação pré e também pós evento pois mesmo ele tendo superado todas as métricas muita gente, mesmo dentro da comunidade, não ficaram sabendo do evento e isso é uma falha grande de comunicação.

Depois disso apresentamos para o Paulo e o Ikaros um apanhado geral sobre o Webmaker e sobre todas as ações que já fizemos e os próximos passos aqui no Brasil.  Dessa conversa surgiram muitas ideias para novas parcerias e eventos.

O Waters aproveitou para nos mostrar um pouco do projeto que ele e a Cynthia estão encabeçando lá no sul. Estou super torcendo para que o projeto dê super certo por que quero abrir uma filial dele aqui em Campinas ;D

No final de tudo ainda aproveitamos para jogar um pouco de Code Castells, aqui está um tutorial de como jogar ele para que vocês possam nos ajudar a remixar o jogo também. Nessas jogadas já conseguimos melhorar um pouco o jogo, mas ainda são necessárias melhorias. O jogo ainda está demorando muito e o fator sorte ainda está muito somando muitos pontos.

codecasttels

Ah sim! Por último e não menos importante, o tempinho ainda serviu para que o Panaggio configurasse o melc.at o/ e permitisse que eu escrevesse para vocês. ;D

gato-feliz-pulando

 

 

Meu primeiro addon para Firefox

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Estava querendo aprender um pouco mais sobre o desenvolvimento de addons para o Firefox, além disso queria fazer algo legal para o Raul HC, resolvi juntar os dois e por a mão na massa!

O site do raul tem um plugin que diz se a sede está aberta ou fechada quando algum membro faz login no site e se cadastra para passar um tempo lá, o que fiz foi um addon simples, que consulta uma url que possui essas informações e mostra se a sede está aberta, mudando de cor para verde.

Uma aplicação muito simples, mas foi bem interessante para ver o processo de desenvolvimento e publicação do addon, muitas funcionalidades nativas do javascript são bloqueadas por segurança no desenvolvimento de addons, mas nesses casos existem substitutos seguros para serem usados.

O processo de publicação também é bem legal, o addon passa por uma revisão automatizada, e depois por uma manual (que você pode escolher entre mais superficial ou mais profunda), essa revisão manual é feita por voluntários, e a depender da fila, pode levar alguns dias para ser concluída, depois disso seu app já estará disponível na market place.

Link para instalar diretamente o addon[1].

[1] – https://addons.mozilla.org/pt-BR/firefox/addon/rauladdon/

Humble Mozilla Bundle – Uma surpresa positiva

por Mel Mel

Já contei lá no hu3br.com sobre meu vício em comprar bundles de jogos e agora venho contar que fui novamente surpreendida. Sim, e de maneira muito positiva! Estou falando do Humble Mozilla Bundle.

O que esse bundle tem de diferente dentre tantos outros? Além dos jogos serem super divertidos eles rodam diretamente no browser sem necessidade de plugin ou instaladores. Ou seja, você pode jogar por horas antes mesmo de comprar o bundle. Mas garanto que você vai querer comprar o bundle depois de ver títulos como o FTL nele!

Quais são os jogos disponíveis no bundle? Super Hexagon, Aaaaa! for the Awesome, Osmos, Zen Bound 2, Dustforce DX, Voxatron, FTL: Advanced Edition, Democracy e vem mais jogos por aí. ;D

Quanto você paga? Como em todo bundle, você paga o quanto quiser, mas para receber todos os jogos deve desembolsar a quantia de 8 dólares. O que convenhamos é bem pouquinho para tanto jogos legais.

Ah, todos os jogos são ativáveis no Steam, DRM free e foram produzidos utilizando asm.js.

Maker Party Week SP – Um pouco de backstage

por Mel Mel

E aí galerinha se você chegou até aqui e não me conhece então você tem interesse na Maker Party Week SP, certo? Bom se esse for seu interesse é legal dar uma olhadinha nesse link! Se você já ouviu falar sobre esse evento vou contar um pouquinho sobre os bastidores dessa semana cheia de diversão e aprendizado. :D

Bom começando pelo começo ;P esse evento nasceu em uma conversa durante o primeiro Webmaker work weekend que rolou há alguns meses aqui em Campinas. Panaggio, Coragem e eu conversavamos sobre como fazer o Brasil brilhar no mapa da Maker Party Global e então surgiu a ideia de estruturar uma sequencia de oficinas. Foi aí que começou a nascer aquele que seria o maior evento brasileiro da Maker Party 2014.

café

Entre diversos cafés e muitos brainstorms chegamos a ideia de que devíamos fazer com que os participantes do evento saissem de lá com o sentimento de ser um criador e não apenas um mero consumidor, tanto na parte offline quanto na web. Começou aí o desafio de criar algo atrativo e que interliga-se o meio offline com online, nasceu aí a ideia de personalizar uma sacola de papel. Yeap, aquelas sacolas marrons e sem graças seriam transformadas em algo incrível pelos participantes das oficinas!

Aí você pergunta, mas qual o sentido disso Mel?  O que uma sacola dessas tem a ver com criar para a web e com o WebMaker? Calma aí que eu respondo. Personalizar essas sacolas ajudaram e muito os participantes se soltarem e ficarem mais confiantes na hora de produzir as suas páginas. Sim, assim como pintar, recortar, colar, enfeitar a sacola é algo simples para a maioria das pessoas, criar para a web também é!

Então vamos lá, explicando direitinho como foram nossas oficinas!

  • Cada participante recebeu uma sacola kraft e teve acesso a material para personalizar ela.
  • Após personalizar a sacola nós voluntários recolhíamos elas para registro e convidávamos para participar da segunda parte que era criar sua própria página web.
  • Então as pessoas produziam sua página…
  • E ao final recebiam suas sacolas recheadas de guloseimas para levar para casa ;D

Parece simples né? Mas geeente…

E que trabalho…

Primeiramente a gente precisava definir quais eram os materiais que iríamos utilizar para personalizar as sacolas e claro claro conseguir as sacolas. Bom, gastamos o dedo ligando para todas lojas de embalagens de Campinas pois não tinhamos mais tempo hábil para encomendar pela internet e quando estávamos perdendo a esperança…. ACHAMOS, ACHAMOS, ACHAMOS sacolas a um ótimo preço e ainda perto de casa.

Bom agora era a hora de comprar o material e descobrir que papéis pesam E MUITO. E que levar tudo isso até o Guarujá não seria uma tarefa tão simples assim.

material

Depois de algumas horas de busão até Santos ainda precisávamos ir até a pousada em que ficaríamos hospedados no Guarujá. Optamos em seguir de táxi até lá pois carregar tantas caixas e sacolas em transporte público era bem praticamente impossível.

chegada

Chegando no Guarujá precisámos comprar as guloseimas para as sacolas afinal… Saco vazio não para em pé! :D

Foram 2 carrinhos lotados de muiiiiiita coisa deliciosa e que unindo com o resto do material ja somavam mais de 100kg.

mercado

Depois de todos os materiais comprados chegou a hora de ir até a oficina… carregando todo material e as guloseimas… utilizando o transportee público! Sim, também acho que isso parece uma daquelas quests que te dá um item raro no final e foi assim que me senti. Me senti também praticamente zerando os meios de transportes públicos existentes em um único dia, foram ônibus, barca e táxi… só faltou voar =(

Aqui uma amostrinha de como foi carregar tudo no transporte público:

mel carrega

E depois de vários dias na baixada enfrentamos um ônibus para voltar à Campinas, você diria “Uffa só falta uma oficina e agora vai ser tranquilo” aí que você se engana… A foto abaixo demonstra como foi a volta para casa.

pneu

E depois da última oficina ficou o sentimento de dever cumprido e o Brasil brilhando pela primeira vez no mapa da Maker Party mundial.

mapa
Veja mais sobr a Maker Party Week SP!

E agora um bônus de como me senti depois de tudo isso!

Software Carpentry na UFRGRS

por Raniere

Software Carpentry na UFRGRS

Imagem dos alunos no final dos dois dias de atividade.

Note

If you don’t speek portuguese you will find some informations at Software Carpentry Blog.

Nota

As fotos originais utilizadas nesse post encontram-se disponíveis em imagens do workshop.

Na última quinta e sexta, Alex e eu fomos os instrutores no workshop da Software Carpentry na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tivemos em torno de 30 alunos dos mais variados níveis (desde alunos do ensino médio até professores titulares da universidade) e apresentamos Bash, Git e Python ao longo dos dois dias.

Leia mais...

Git Lesson at SECOMP

por Raniere

Git Lesson at SECOMP

SECOMP is the name of Computer Science Week that happens at University of Campinas. They invite me to teach Git last Friday and here you will find some thoughts about it.

Leia mais...

Localizacao do Macaw, twitter client para Firefox OS

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Resolvi voltar há pouco para as redes sociais. Não queria voltar para todas, mas o twitter sempre foi a minha social network favorita, então depois de um tempinho longe, voltei 🙂

Como agora uso exclusivamente a plataforma Firefox OS para mobile, estava usando o cliente oficial do twitter para o FXOS, mas ele não está tão bom assim…

O amigo André Garzia, apresentou um client novo que achei sensacional, o Macaw[1], testei e aprovei, bem completo e funcional, mas ainda não tinha suporte ao português como idioma nativo.

Peguei alguns minutinhos da minha noite e resolvi, acabar com este problema, baixei o repositório do Macaw, apesar de não ser open source e nem free software está no github, e comecei a traduzir as strings, em poucos minutos já estava fazendo um pull request para o repô principal.

Ainda não sei se o dono do repô vai dar merge, mas se alguém se interessar em melhorar a tradução que eu fiz,  melhorar a tradução que fiz, o link do github é este aqui https://github.com/minego/macaw-enyo

[1] – https://marketplace.firefox.com/app/macaw/

Mozilla Brasil na Campus Party Recife

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Atualização 09:52

Ontem (23/07/2014) começou a 3ª edição da Campus Party Recife, e a comunidade Mozilla Brasil se fez presente mais uma vez.

Assim que chegamos, vimos nossa bancada, está linda, toda adesivada, temos banners de mesa do FXOS, e ganhamos uma televisão de 42 polegadas onde plugamos o APC paper[1], exibindo o site da Mozilla e montamos outro banner vertical dando assim um sentimento de “agora esta é nossa casa 🙂 “.

Como primeiro dia, a campus ainda estava um pouco vazia, muitas pessoas ainda chegavam e iam procurar seus alojamentos, encontrar conhecidos e conhecer o local.

Ficamos na bancada e regularmente pessoas chegavam querendo conhecer mais sobre a Mozilla, falar sobre alguma tecnologia em específico, ou apenas conversar um pouco, fizemos várias demonstrações do Firefox OS, as pessoas são muito receptivas aos aparelhos e gostam bastante num primeiro momento.  Além disso fizemos atualização de dois aparelhos alcatel one touch fire  com o FXOS, saindo da versão 1.0 para a versão 1.3.

Eu aproveitei a ilustre visita do amigo Reuben Moraes, um membro da comunidade que trabalha na Mozilla e conhece muito de FXOS, para tirar uma dúvidas sobre a plataforma que estavam atrapalhando o término da minha primeira contribuição de código para o FXOS, e a tradução de apps nativos do Gaia. O Reuben me apresentou ferramentas fantásticas que eu não conhecia e ajudarão bastante meu trabalho (pretendo falar sobre elas em outro post).

E assim foi o primeiro dia de Campus Party, um dia tranquilo, mas bastante proveitoso, se quiserem saber mais notícias sobre as ações da Mozilla na CP, fiquem de olho na hashtag #mozillanacampus e no nosso Facebook.

Em breve irei inserir nesse post imagens feitas pela nossa comunidade. Nossas fotos estão no Instagram da Mozilla Brasil.

 

[1] – http://apc.io/products/paper/

Pensando sobre EME/DRM

por André Garzia

Acho que a galera nas interwebs está confundindo fumaça com fogo.

Pra quem não leu como vai funcionar o lance do DRM: O Firefox vai ter uma sandbox para rodar o blob. O blob não vai vir instalado no Firefox. O blob não tera acesso a nada do hardware e não poderá ser utilizado para fazer fingerprint. O código fonte do sandbox é open e você poderá compila-lo separadamente se quiser ter certeza que o seu sandbox não foi macumbado pela NSA.

Se você não utilizar os serviços que usam DRM tais como Netflix, Hulu e Amazon então seu Firefox continua livre do dito blob. Se você quiser utilizar esses serviços então você autoriza a instalação do blob de DRM quando você vai assistir alguma coisa.

"As plugins today, the CDM itself will be distributed by Adobe and will not be included in Firefox. The browser will download the CDM from Adobe and activate it based on user consent." -- Andreas Gal, Mozilla CEO in Reconciling Mozilla’s Mission and W3C EME

Se você é daqueles que são contra DRM na web então em vez de ficar brigando para não ter os hooks no Firefox basta não utilizar os tais serviços. Se você é daqueles que quer assistir os tais videos na internet então você tem a única sandbox open source incapaz de fazer fingerprint. Continua melhor que as alternativas.

O lance é que os provedores de conteúdo estão se movendo para o EME/DRM. Esse tipo de coisa não da para fazer com plugin pelo que nego da mozilla me disse no MWC. O Firefox vem com o EME mas não vem com o DRM, o módulo da Adobe de DRM só é instalado para quem quer utilizar algum serviço que utilize essa bagaça.

Ou seja, se você quer lutar por uma web livre, pare de consumir os tais serviços. Mostre suas convicções com a carteira. Todo mundo que está contra essa bagaça esquece que é uma escolha usa usar ou não. É a mesma coisa de ter um carro. Você pode usar o carro para passar em cima das pessoas mas você faz isso se quiser e sofre as consequências. Ai vem gente gritando que ninguém pode ter carro pois isso abre brecha para passar em cima das pessoas. Tipo: "Você não pode comer bacon pois eu sou vegetariano". Quem é contra o EME/DRM basta não usar os serviços e fica tudo bem. A presença da implementação de EME sem o blob não é maligna por sí só. É só código inativo para quem não usa a bagaça...

A alternativa seria não suportar e ai toda vez que cair uma pergunta para o exército dos incríveis tipo: "como faço para assistir netflix no meu Firefox" vc responder com "Instala o Chrome ou o IE". É essa a alternativa? Pq ninguém aqui e nem a Mozilla pode forçar os produtores de conteúdo a utilizar outra tecnologia. Podemos não gostar e não utilizar mas cortar dos usuários que querem utilizar a chance de poder fazê-lo é de uma arrogância e egoísmo incríveis tipo "nós somos moralmente contra o DRM portanto estamos limitando sua capacidade de escolher o que fazer independente da sua vontade". O Firefox continua sendo o único navegador desenvolvido as claras por uma comunidade que acredita em uma web aberta, as vezes a gente se fode e não pode fazer tudo da maneira que a gente quer.

Garanto que ninguém aqui que precisar fazer um exame médico em um equipamento totalmente proprietário vai se recusar pois o equipamento não é GNU e abençoado pela FSF. Quero ver alguém dizer: "Não põe esse marcapasso em mim pois não sei o que tem no micro código dele". Ou "tira esse piloto automático e telemetria do avião pois tem DRM". As vezes a gente perde a batalha. Eu também queria que o watermark ganhasse. Eu sou contra o DRM mas em vez de quere um Firefox sem ele, eu prefiro deixar cada pessoa escolher o que usar. Eu tenho um Kindle. Ele é entupido com DRM. Em vez de comprar livros mais baratos com DRM na Amazon, prefiro comprar direto na O'Reilly em formatos abertos. O DRM do Kindle não me afeta e eu mostro com meu dinheiro onde estão minhas convicções.

A galera age como se de repente o Firefox tivesse morrido, como se fosse uma traição imensa que vai contra o que o usuário quer. Lembrem-se sem marketshare a mozilla perde força política. A batalha desse DRM foi perdida mas a guerra por uma web melhor continua. A gente não ganha sempre. Em um mundo de apps proprietários, escutas, monocultura de webkit, justin bieber, protocolos fechados e outros terrores, esse sandbox não é o maior dos monstros.

Segunda Firefox Games Hackathon da Telefônica

por André Garzia

todo mundo

Aconteceu entre os dias 26 e 27 de Abril de 2014 a segunda Firefox OS Games Hackathon da Telefônica. Esse evento conta uma série de palestras no início do primeiro dia e então com 24 horas de competição. O mais legal deste tipo de evento não é competir pelos prêmios mas sim ter um jogo pronto ou um experimento funcionando com algumas horas de trabalho.

Assim como no ano passado a maior parte do público era composta de estudantes universitários relacionados aos diversos cursos de games oferecidos pelas universidades de São Paulo. Queria eu que o Rio de Janeiro estivesse tão bem servido de cursos assim. Tinhamos desde formados em game design à alunos do primeiro período. Apesar de contarmos com um público menor que no ano anterior, os times que estiveram lá aproveitaram bastante.

Selfie

Palestras

Empreendedorismo em Jogos Digitais no Brasil

Nesta palestra Mauricio Alegretti da Smyowl mostrou um pouco de história e passos a serem seguidos para quem deseja se tornar empreendedor no mundo dos games.

A Smyowl foi a primeira empresa Brasileira a ter jogos na lojinha do Windows 8! :-D

Desenvolvendo Jogos HTML5 com a Cocos2D

O Pedro Kayatt apresentou todo o poder do Cocos2D-HTML que é uma plataforma para desenvolvimento de jogos muito utilizada na industria. Ele apresentou os prós e contras do Cocos2D e por que ele deve ser considerado uma boa opção pelos devs.

Game Design para o Mundo Real

Nesta palestra aprendemos a teoria e a prática do bom game designer com o Alvaro Gabriele Rodrigues que é Coordenador e Professor do Curso Superior de Jogos Digitais da FATEC. Em todos os eventos desse tipo, as palestras que eu mais gosto são as de Game Design. Sempre aprendo alguma coisa nova!

Programando jogos para Firefox OS

Eo!

Essa foi a minha palestra mas eu tive uns problemas. Eu esqueci o dongle de video do mac para ligar no projetor. Então eu tive que improvisar usando um PC velho com Windows. Quem me conhece sabe que eu não sei usar Windows, fico super nervoso rsrsrs. Em vez de uma palestra expositiva foi mais uma conversa e eu demonstrei um jogo que havia sido criado duas horas antes.

O código do app pode ser visto no repositório do Github do jogo. É um daqueles clássicos joguinhos onde caem frutas do céu e você tem uma cestinha para pegar. Tocando de um lado da tela você se move para a quele lado. Eu devo terminar esse jogo e colocar no Firefox Marketplace em breve. Esse jogo foi desenvolvido utilizando a framework Phaser que é código livre e aberto e super popular no meio de gamedev.

Fruit Catcher

Jogos

Tivemos pouca gente no evento porém tivemos alguns jogos muito bacanas no final. Como eu imaginava, ferramentas de criação de jogos são a forma mais popular de construção de jogos em hackathons. A maioria dos grupos utilizou o Construct 2 e alguns construiram no braço ou utilizando frameworks como o Phaser.

Alguns jogos que eu gostei muito foram:

Mad Blast

Mad Blast

Jogo super divertido onde o objetivo é prender explosivos em prédios e explodir tudo.

Baixe Mad Blast no Firefox Marketplace.

Box It

Box It

Jogo com a arte fantástica! O objetivo é colocar os brinquedos no local correto.

Baixe Box It no Firefox Marketplace

Run Fox Run

Run Fox Run

Esse jogo é um infinite run com uma raposa. Tem como não gostar rsrsrsrs.

Campeonato de I Wanna Be The Guy: Gaiden

I wanna be the guy

Para animarmos o pessoal durante a noite fizemos um campeonato de I wanna be the guy: gaiden

Teve até prêmio rsrsrs.

Conclusão

Gente feliz

O evento contou com um público menor que o anterior e eu tive uns problemas com a minha palestra porém mesmo assim foi sensacional. Eu gosto muito de eventos tipo Hackathon pois é impressionante ver as pessoas sairem de um conceito para algo que funciona em 24 horas.

Espero que ano que vem a gente venha a fazer esse evento novamente e consiga fazer uma divulgação melhor. Ano que vem já teremos novos telefones e tablets no mercado. O mundo do Firefox OS e do HTML5 só tem a crescer e quem estiver fazendo jogos com essa tecnologia estará na vanguarda sendo capaz de entregar suas criações em todas as plataformas móveis, em SmartTVs e videogames também.

O futuro promete ser muito divertido!

Referências para programação de Jogos no FirefoxOS/HTML5

por André Garzia

Esta acontecendo agora a hackathon de desenvolvimento de jogos para Firefox OS organizada pela Telefônica VIVO junto com a Qualcomm. Voce pode assistir a hackathon ao vivo clicando nesse link.

Para facilitar a vida dos participantes do evento, estou disponibilizando alguns links aqui que são do interesse de quem quer desenvolver jogos em HTML5 e mais especificamente para o Firefox OS.

Introdução

Os apps para Firefox OS são compostos de uma coleção de HTML5/CSS/JS que podem tanto ser hospedados no seu próprio servidor ou empacotado. Para entender um pouco mais sobre o básico de desenvolvimento de apps para Firefox OS, olhe os seguintes links:

Se você optar por criar um jogo hosted vale a pena aprender mais sobre appcache para disponibilizar o seu jogo offline.

Para validar o seu app manifest utilize o validador neste link.

Testando seu jogo

Utilize primeiro o simulador disponível nos complementos do Firefox aqui. Esse complemento deve ser instalado em uma versão atual do Firefox.

Para testar nos telefones, procure um de nós pelo evento.

Regulamentação do governo

O Governo Brasileiro exige que os jogos comercializados no país passem por uma classificação de faixa etária. Mais informações sobre o processo neste link do DEJUS. Mais especificamente, a ficha técnica de classificação indicativa para jogos eletrônicos. O procedimento é gratuíto e em teoria fica pronto em 20 dias (aka 45 dias).

APIs interessantes para jogos

Ao contrário dos apps comuns, jogos possuem necessidades bem especificas em termos de APIs.

Canvas

Para o Firefox OS quando se trata da construção de jogos com gráficos 2D, recomendamos a utilização da API canvas.

Entrada de dados

Além de mostrar coisas na tela do aparelho, é necessário lidar com a entrada de dados. O jeito mais comum é utilizando os touch events que estão documentados em Touch Events na MDN. Outra possibilidade são jogos controlados via acelerometro cuja a API esta neste artigo na MDN. Aviso, não testei essa API no Firefox OS não.

localStorage

Para salvar dados tais como high score, achievements você pode utilizar localStorage sendo que localStorage é uma API blocking, seu jogo vai parar de processar enquanto os dados são escritos ou lidos do storage. Para uma melhor performance, utilize uma API assíncrona como o IndexedDB.

Existe uma biblioteca para Firefox OS que é uma versão de API semelhante ao localStorage porém é assíncrona e construida em cima do IndexedDB, essa lib esta disponível aqui no Github.

Bibliotecas

Para jogos simples, você não precisa de nada além das APIs que já estão disponíveis no Firefox OS. Para projetos mais ambiciosos vale a pena utilizar uma biblioteca para evitar ficar reinventando a roda. Claro que se você é uma empresa produzindo vários jogos com uma equipe especializada você vai preferir construir sua própria biblioteca especifica para as suas necessidades mas para as outras pessoas que estão interessadas em conhecer as bibliotecas mais famosas para a criação de jogos com HTML5 eu vou colocar uma lista abaixo. A única biblioteca dessas que eu testei no Firefox OS e mesmo assim testei pouco é a CreateJS (mais especificamente a EaselJS que faz parte da CreateJS).

A utilização dessas bibliotecas fica por conta e risco dos participantes, eu não testei, so fiz a lista.

Ferramentas

Existem ferramentas muito legais para criação de games.

  • Texture Packer uma ferramenta ótima para criação de spritesheets/texture atlas.
  • bfxr ferramenta para criação de efeitos sonoros pros jogos.

Conclusão

Boa Hackathon! Se precisarem de alguma coisa, procurem a gente!

Mais referências para programação de Jogos no FirefoxOS/HTML5

por André Garzia

Esta acontecendo agora a segunda hackathon de desenvolvimento de jogos para Firefox OS organizada pela Telefônica VIVO.

Para facilitar a vida dos participantes do evento, estou disponibilizando alguns links aqui que são do interesse de quem quer desenvolver jogos em HTML5 e mais especificamente para o Firefox OS.

Introdução

Os apps para Firefox OS são compostos de uma coleção de HTML5/CSS/JS que podem tanto ser hospedados no seu próprio servidor ou empacotado. Para entender um pouco mais sobre o básico de desenvolvimento de apps para Firefox OS, olhe os seguintes links:

Se você optar por criar um jogo hosted vale a pena aprender mais sobre appcache para disponibilizar o seu jogo offline.

Para validar o seu app manifest utilize o validador neste link.

Testando seu jogo

Utilize primeiro o simulador disponível nos complementos do Firefox aqui. Esse complemento deve ser instalado em uma versão atual do Firefox.

Para testar nos telefones, procure um de nós pelo evento.

Livro sobre criação de Apps para Firefox OS

Para saber mais sobre programação para Firefox OS você pode baixar o Guia Rápido para Desenvolvimento para FirefoxOS.

Regulamentação do governo

O Governo Brasileiro exige que os jogos comercializados no país passem por uma classificação de faixa etária. Mais informações sobre o processo neste link do DEJUS. Mais especificamente, a ficha técnica de classificação indicativa para jogos eletrônicos. O procedimento é gratuíto e em teoria fica pronto em 20 dias (aka 45 dias).

O Firefox Marketplace possui um sistema integrado para calcular essa classificação de faixa etária para você. Muito mais fácil.

APIs interessantes para jogos

Ao contrário dos apps comuns, jogos possuem necessidades bem especificas em termos de APIs.

Canvas

Para o Firefox OS quando se trata da construção de jogos com gráficos 2D, recomendamos a utilização da API canvas.

Entrada de dados

Além de mostrar coisas na tela do aparelho, é necessário lidar com a entrada de dados. O jeito mais comum é utilizando os touch events que estão documentados em Touch Events na MDN. Outra possibilidade são jogos controlados via acelerometro cuja a API esta neste artigo na MDN. Aviso, não testei essa API no Firefox OS não.

localStorage

Para salvar dados tais como high score, achievements você pode utilizar localStorage sendo que localStorage é uma API blocking, seu jogo vai parar de processar enquanto os dados são escritos ou lidos do storage. Para uma melhor performance, utilize uma API assíncrona como o IndexedDB.

Existe uma biblioteca para Firefox OS que é uma versão de API semelhante ao localStorage porém é assíncrona e construida em cima do IndexedDB, essa lib esta disponível aqui no Github.

Bibliotecas

Para jogos simples, você não precisa de nada além das APIs que já estão disponíveis no Firefox OS. Para projetos mais ambiciosos vale a pena utilizar uma biblioteca para evitar ficar reinventando a roda. Claro que se você é uma empresa produzindo vários jogos com uma equipe especializada você vai preferir construir sua própria biblioteca especifica para as suas necessidades mas para as outras pessoas que estão interessadas em conhecer as bibliotecas mais famosas para a criação de jogos com HTML5 eu vou colocar uma lista abaixo.

Eu recomendo utilizar a Phaser pois é open source e funciona bem.

A utilização dessas bibliotecas fica por conta e risco dos participantes, eu não testei, so fiz a lista.

  • Phaser é a framework do momento. É open source e possui muita gente contribuindo e muitos jogos feitos nela.
  • CreateJS uma coleção de bibliotecas muito completa composta por libs independentes. O demo da EaselJS rodou no Firefox OS.
  • Impact JS essa é uma biblioteca super completa porém é comercial, existe um livro da O'Reilly sobre a mesma que é super bacana.
  • Crafty JS
  • Pixi JS

Ferramentas

Existem ferramentas muito legais para criação de games.

  • Texture Packer uma ferramenta ótima para criação de spritesheets/texture atlas.
  • bfxr ferramenta para criação de efeitos sonoros pros jogos.

Conclusão

Boa Hackathon! Se precisarem de alguma coisa, procurem a gente!

Firefox OS, a web é a plataforma!

por Marcus Saad msaad

 

O Evento

 

Nos dias 10 e 11 de Abril de 2014, foi realizado na cidade de Palmas, Tocantins o V Workshop Tocantinense de Sistemas de Informação organizado pela Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) em parceria com outras instituições como a UNITINS. O evento teve como foco o incentivo ao desenvolvimento de plataformas mobile e o empreendedorismo no ambiente universitário.

Primeiro dia

 

O evento foi aberto ao público em geral e foi dividido em dois dias. No primeiro, tivemos a abertura com a palestra “Como construir uma Startup e empreender dentro do ambiente universitário”, ministrada pelo Alfredo Beckert e posteriormente tivemos a palestra da nossa comunidade, “Firefox OS, A web é a plataforma!” ministrada por mim.

Da direita para esquerda, Alan Rincon, Galileu Guarenghi, Alfredo Beckert e Marcus Saad palestra “Como construir uma Startup e empreender dentro do ambiente universitário”, ministrada pelo Alfredo Beckert Palestra Firefox OS, a web é a plataforma Conversa durante palestra Firefox OS, a web é a plataforma.

 

Segundo dia

 

No segundo, tivemos múltiplos minicursos acontecendo simultaneamente sobre as mais diversas plataformas mobile. O Professor Silvano Malfatti ofereceu uma Introdução ao Objective-C (iOS), tivemos também Introdução a Programação para Android com o Luiz Carvalho, e o minicurso de desenvolvimento para Firefox OS que também foi ministrado por mim. Com isso, o evento forneceu uma porta de entrada para as maiores plataformas mobile e possibilitou mostrar os pontos fortes e fracos de cada alternativa, agradando tanto o público que procurava por uma plataforma mais madura e estável como o iOS e Android.

No minicurso de desenvolvimento para Firefox OS o conteúdo apresentado forneceu uma introdução aos novos recursos trazidos pelo HTML5, CSS3 e Javascript em conjunto com uma demonstração das capacidades da plataforma, boas práticas de desenvolvimento, ferramentas de desenvolvimento e depuração, building blocks, l10n.js, WebAPIs e processo de submissão de aplicativos ao Marketplace. Em seguida, os participantes foram incentivados a se juntar em grupos para criar um rápido aplicativo para que fosse possível sanar as dúvidas mais comuns e eventuais problemas com o Marketplace.

As ideias variaram desde aplicativos para calculo de IMC, como um aplicativo para turistas conhecerem as praias locais de Palmas.

Firefox OS, a web é a plataforma! Esperando participantes chegarem! Ajudando participantes do mini-curso Aplicativo Palmas Beach ajuda turistas a conhecer as praias locais (ainda em desenvolvimento)

 

Terceiro dia

 

No terceiro dia, a convite do professor Silvano Malfatti, fui convidado a falar um pouco mais sobre o Firefox OS para os alunos da Pós Graduação oferecida pela Faculdade Católica do Tocantins. Os alunos, todos já experientes em desenvolvimento e com aplicativos publicados tanto na Apple Store e na Play store ficaram satisfeitos com a facilidade de desenvolvimento e com o processo simples de envio de aplicativo ao Marketplace. Porém, alguns pontos desagradaram os desenvolvedores que estão em busca de soluções lucrativas e que gostariam de comercializar seus aplicativos.

 

Conversa sobre dispositivos disponíveis durante aula para alunos de pós graduação.Conversa sobre dispositivos disponíveis durante aula para alunos de pós graduação.

 

Divulgação na mídia local

 

A cobertura da mídia local foi ótima, o evento foi muito bem divulgado e atraiu pessoas de diversas cidades vizinhas e instituições diferentes. Os links divulgados na internet são:

 

 Métricas e feedback

 

Para o evento foram feitas algumas expectativas de participação e retorno para a comunidade, visto que o evento foi patrocinado pelo programa de Budget para Representantes da Mozilla. Vou comentar um pouco sobre as métricas estabelecidas por mim, como elas foram endereçadas e qual o resultado final após o evento.

Métrica 1 – 200 pessoas na abertura do evento

Sucesso! A abertura do evento foi excelente, trazendo mais do que o número esperado de atendentes. Tivemos em torno de 250 pessoas no auditório da UNITINS, agregando pessoas dos mais variados cursos e background profissional, o que é muito comum na nossa comunidade. Como é possível ver nas fotos do primeiro dia, o auditório estava lotado e o público estava muito participativo, respondendo a perguntas e a brincadeiras.

Quem acha que o Firefox já foi melhor?Quem acha que o Firefox já foi melhor?

 

Após o termino da nossa conversa, foi dado espaço a perguntas do público e algumas em específico chamaram a minha atenção.

Marcus, como você ganha a vida com software livre? É possível viver apenas de software livre? Como a Mozilla consegue se manter se ela não “vende” um produto?

Essa é uma pergunta muito frequente, e que com certeza é de extrema importância. Infelizmente, não consigo me manter apenas com a minha contribuição a projetos de software livre (embora esse seja o meu sonho [Mozilla,  estou desempregado!]). Sim, é possível viver apenas de software livre. Ainda é muito difícil, mas em alguns países aonde a cultura de apoio a tal movimento é maior e o investimento em soluções de código aberto também. Já é notável uma constante crescente no cenário Brasileiro, sendo as regiões Sul e Sudeste as maiores concentradoras de projetos.

A Mozilla Foundation é uma organização sem fins lucrativos que sobrevive utilizando-se de alguns artifícios. Como muitos sabem, 90% do income vem de uma parceria entre a Mozilla e a Google, onde o benefício é mútuo. A Google paga a Mozilla um contrato milionário para que a Mozilla continue oferecendo no Firefox como motor de busca padrão o serviço da Google. Logo, podemos perceber que se o Firefox aumenta de popularidade, a Google aumenta o número de usuários utilizando seu motor de busca, lucrando assim bilhões rastreando usuários ingênuos e oferecendo propaganda direcionada ao usuário de dólares.

O restante do dinheiro é arrecadado através de doações de usuários, iniciativa privada e empresas que incorporam os serviços prestados pela Mozilla.

Marcus, qual é a porcentagem que a Mozilla fica com a venda de aplicativos do Marketplace?

Outra ótima pergunta. Sabemos que a Apple e a Google ficam com 30% do valor cobrado por um aplicativo nas suas respectivas lojas. No momento da palestra não sabia informar, acabei até passando uma informação errônea e peço desculpas aqui por tal erro. Existe uma tabela um tanto quanto complicada disponível aqui. A porcentagem cobrada também é de 30%, ao contrário dos 0% ditos por mim. Desses 30%,  entre 5% a 7.5% ficam com a Mozilla, e o resto é repassado para pagamento de impostos e taxa de administração de serviços de intermédio de pagamento. A Mozilla utiliza o Bango como intermediador de pagamentos. Para mais informações sobre como funciona para cobrar por um aplicativo, dá uma olhadinha nessa postagem.

Métrica 2 – 5 Aplicativos publicados no marketplace em até 20 dias após o minicurso

Sucesso parcial! No dia do minicurso, por algum motivo macabro (suspeito que seja algo referente a rede local), o simulador não estava sendo capaz de encontrar e servir os arquivos JavaScript, o que prejudicou o desenvolvimento. Tivemos 3 aplicativos semiprontos até o final do tempo, mas sem nenhuma submissão ao Marketplace.

Feedback positivo

  • Ótimas ferramentas de debug
  • Desenvolvimento facilitado
  • Marketplace é simples se comparado aos concorrentes
  • Tecnologias envolvidas são globais

Feedback negativo

  • Maior parte das WebAPIs consideradas interessantes são para apps certificados
  • Simulador ainda é muito instável, com muitos bugs e problemas que atrapalham no desenvolvimento (Por exemplo, html básico não é exibido de forma correta na v1.2 mas funciona na v1.3)
  • Falta de incentivo a aplicativos pagos (WebAPI de pagamento não está implementada, e documentação é de difícil acesso para desenvolvedores que não são Mozillians ou que não conhecem onde buscar informações nas ferramentas da Mozilla).
  • Marketplace ainda não possui aplicativos pagos
  • Não é possível filtrar por aplicativos free / pagos.

Conforme os aplicativos forem ficando prontos, incluirei os links do Marketplace!

 

Métrica 3 –  20 pessoas ingressando na lista da comunidade brasileira ou IRC

Infelizmente essa métrica não foi atingida, e vou deixar aqui meu insight pessoal. Acredito que o fato de utilizarmos o IRC e lista de email como forma de comunicação em massa é pouco efetivo em regiões onde as pessoas ainda não conhecem essas ferramentas ou não sabem dar valor a elas. Tivemos apenas 2 participantes que entraram no canal #mozilla-br e se interessaram de alguma forma.

É válido notar que maior parte da agitação aconteceu entre as redes sociais Facebook e Twitter, onde registrei 12 pedidos de amizade e no Twitter onde 4 pessoas passaram a me seguir. Também foi registrado alguns twits com hashtags da Mozilla e Firefox OS. Infelizmente as redes sociais são a maior forma de interação para o público em geral que ainda não possui conhecimento sobre software livre.

Considero também que a falta de conhecimento sobre o que é software livre, como participar e o forte interesse na comercialização de aplicativos foi um fator decisivo ao fracasso do cumprimento de métrica.

 

erros e acerto como mozillian

 

Infelizmente nem tudo é perfeito, e com esse evento não poderia ser diferente. O processo de aprovação do budget foi demorado e por muitos dias sem atualização (mesmo sendo mais rápido que o normal, o processo ainda está longe de estar perfeito).

A falta de confirmação do budget fez com que o desenvolvimento da apresentação fosse adiado, uma vez que infelizmente tenho que trabalhar  para pagar as contas no final do mês. A apenas 10 dias do evento, foi confirmado que o pedido de budget foi aceito e que o dinheiro estaria disponível. Felizmente, foi possível terminar o desenvolvimento do conteúdo para as três apresentações e fazer bom uso desse dinheiro dos nossos contribuidores!

Como palestrante acredito que eu poderia ter me preparado melhor, trazendo mais conteúdo e conhecimento sobre o simulador para resolver eventuais problemas que aconteceram no minicurso. Aparentemente, gnomos estavam de plantão aquele dia e assim que cheguei no hotel, tudo funcionou perfeitamente.

O nosso pedido de brindes para o evento também não chegou a tempo, o que foi um pouco triste pois todo mundo queria um adesivo da Mozilla!

Também aprendi que devemos ser um pouco mais conservadores com as métricas, é melhor estimar um valor baixo e ultrapassar do que estimar um valor alto e não atingir o imaginado. Fica uma sensação de que o dever não foi cumprido, tanto pela minha parte como por quem for ler esse relatório na parte de análise do budget.

A semente do código aberto foi espalhada na região Norte do Brasil. Espero que todos que participaram do evento tenham gostado da minha “conversa”. Eu, em nome da Mozilla agradeço a todos que estiveram presente e espero que vocês tenham aprendido um pouco mais sobre a nossa missão. Nós estamos trabalhando para todos vocês, por uma internet livre!

Agradecimentos

 

  • Ricardo Panaggio e Bruno Villar, por terem me indicado a esse evento e por sempre serem parceiros.
  • Thatiane Rosa, por todas as caronas e conversas durante os almoços e passeios.
  • André Rincon, Silvano Malfatti e todo pessoal da organização do evento. Agradeço pela estrutura do evento, pelos bons momentos e pela experiência profissional adquirida.
  • Aos participantes do evento e todos aqueles que contribuíram diretamente ou indiretamente para a realização do 5 Workshop Tocantinense de Sistemas de Informação.
  • Konstantina Papadea, Ricardo Pontes, Ioana Chiorean, William Quiviger and everyone at Mozilla involved with this budget Request. I have no words to thanks everyone.

 

Considerações finais

 

Nem tudo foi trabalho. Deixo aqui um pouco da cultura local através de fotos de lugares que conheci e experiências obtidas entre um evento e outro!

Tucunaré ! Praia da Graciosa

 

Essa postagem considera software livre e open source equivalentes por questões de simplificação. Conheça mais sobre a diferença entre software livre e open source aqui.

 

 

Mockups do Firefox OS 2 vazam na internet

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Foi mostrado no dia 10 de Abril, no site CNET[1], um possível mockup do novo design do Firefox OS 2.0.

Segue abaixo uma tradução livre do artigo:

O Firefox OS 2.0 vai ter uma tela de bloqueio mais ativa que mostra uma lista de rolagem de notificações e controles de notificações e músicas.

Firefox OS, o sistema operacional móvel da Mozilla traz esperanças de afrouxar o aperto da Google e Apple no mercado de telefonia móvel , o Firefox OS está recebendo uma visão mais moderna e novos recursos na sua versão 2.0.

Sören Hentzschel , um representante Mozilla na Alemanha , publicou mockups do novo sistema operacional em seu blog[2], e mais detalhes foram aparecendo no sistema de controle de bugs do Mozilla nos últimos dias. A nova versão, deve começar os testes finais no final de julho, demonstrando que a Mozilla está se movendo para além do mercado do Android.

Os planos da Mozilla para novos recursos do Firefox OS 2.0 incluem cópia e colar, um novo mecanismo de busca universal para os  aplicativos e alternar entre eles , uma tela mais útil de bloqueio, um sistema para achar o telefone perdido e muito mais. Esses recursos serão cruciais para o sucesso do SO nascente e, portanto, a relevância contínua da Mozilla, mas a primeira versão só chegou no meio de 2013, ficando atrás do Android da Google e do iOS da Apple por anos.

Como outros rivais como a Microsoft , BlackBerry e Palm têm mostrado , é difícil construir um sistema operacional competitivo, atrair parceiros, desenvolvedores , e clientes, dada a força e poder de mercado dos operadores históricos. No primeiro trimestre de 2014 , o Android respondeu por 78 por cento e o iOS por 18 cento dos 290 milhões de smartphones embarcados , de acordo com a IDC , e suas respectivas lojas de aplicativos , cada um tem mais de um milhão de aplicativos disponíveis . Mozilla tem um programa ativo para recrutar desenvolvedores , mas está competindo por recursos escassos; alguns desenvolvedores não têm sequer tempo para apoiar tanto iOS e Android.

Confiram as imagens tiradas do blog do Sören[3]

[1] – http://www.cnet.com/news/new-features-and-appearance-for-firefox-os-2-0-emerge/

[2] – http://www.soeren-hentzschel.at/mozilla/firefox-os/2014/04/06/design-vorschau-auf-firefox-os-2-0/#!prettyPhoto

[3] – https://plus.google.com/photos/105558803869020493776/albums/6002200578411189169?authkey=CM7JnJO1xp2lfg

Mozilla na Campus Party Brasil 2014

por André Garzia

Mozilla na Campus Party

Esse ano levamos quinze pessoas para a Campus Party Brasil entre voluntários e funcionários da Mozilla. Apesar de termos organizado tudo na última hora, esse foi um dos eventos com o maior número de atividades da Mozilla realizados nos últimos tempos. Foram 5 palestras na trilha de comunidades, 2 palestras na programação normal, 1 workshop e 1 hackathon.

Essas atividades todas foram ótimas porém elas não eram a nossa missão na Campus, nós tinhamos um plano em mente...

O plano

Balões

Como aprendemos durante o Mozilla Summit 2013 um dos objetivos principais para a Mozilla nos próximos anos é a campanha conhecida como Um Milhão de Mozillians cuja a idéia é crescer nossa comunidade de voluntários de aproximadamente 100 mil pessoas para um milhão de pessoas, afinal se já conseguimos fazer isso tudo com 100k voluntários imaginem só o que não faríamos com dez vezes mais.

O Adriano Cupello tinha acabado de voltar do Engagement Work Week e estava fervilhando com a idéia de que o nosso objetivo principal durante a Campus deveria ser conseguir mais voluntários para a comunidade. Muita gente não sabe mas nossa comunidade no Brasil não é bem distribuída, temos mais gente no sudeste e no sul que em outras partes como o centro-oeste e o norte onde quase não temos voluntários.

A Campus Party Brasil é um evento que atrai pessoas do país inteiro, são oito mil pessoas no mesmo pavilhão durante sete dias. É uma ótima oportunidade de ampliar a comunidade rumo ao um milhão de voluntários no mundo. Nosso plano era utilizar nossas atividades para atrair pessoas para nossa bancada onde poderíamos apresentar pessoalmente a comunidade Mozilla para cada interessado.

Nossa bancada

Palestras

Palestras

Como dito acima realizamos diversas atividades durante a CP e tivemos um número recorde de palestras. Essas palestras foram nosso ponto chave para a chamada de novos voluntários.

Keynote do Andreas Gal

Andreas Gal

A palestra magistral do Andreas Gal mostrou a importância do Firefox OS para o mundo mobile tocando assuntos como padrões abertos, privacidade, liberdade de uso entre outros. Essa palestra aconteceu no palco principal cujo os espectadores não são necessáriamente os mesmos dos outros palcos onde aconteceram nossas outras atividades. Ou seja, com essa atividade nossa missão e mensagem chegaram muito mais longe atingindo pessoas que normalmente não procuram a gente.

Criação de Apps para Firefox OS

Tivemos duas palestras sobre criação de apps para Firefox OS em horários diferentes e feitas com approaches bem diferentes. Uma delas foi uma palestra mais técnica que eu realizei de manhã no Palco Pitágoras explicando sobre o workflow de criação de apps. A outra palestra, que infelizmente não foi filmada, foi realizada por mim e pelo Ricardo Pontes durante a programação de palestras de comunidades (a.k.a. tarde da noite). Essa palestra noturna foi feita em um clima super descontraído pois é impossível ser sério depois da meia noite. O que mais me impressionou foi que a palestra feita a noite ficou cheia até o fim e respondemos perguntas até nosso horário acabar. Em resumo nossas duas palestras sobre Firefox OS foram um sucesso.

SUMO

O Suporte Mozilla (a.k.a. SUMO) teve sua palestra ministrada por Maicon Ferreira, Ricardo Pontes e o Ralph Daub que estava remoto mas estava presente. O SUMO é uma das mais importante oportunidades para novos voluntários e sem dúvida um dos pilares que sustentam a Mozilla. A palestra foi ótima e atraiu várias pessoas para nossa bancada! (nosso plano secreto estava em movimento).

Privacidade na web

Ricardo Panaggio e Morvana Bonin deram uma super palestra sobre como proteger sua privacidade online mostrando ferramentas como o lightbean entre outras. Em um mundo onde a NSA e outras agências de 3 ou 4 letras monitoram sua vida online inteira, aprender mais sobre como defender seus direitos é fundamental. A palestra foi excelente e mostrou para muitos que a Mozilla é mais do que simplesmente o Firefox.

Webmaker e Appmaker

Webmakers

Carlos "Coragem" Valim e Ricardo Panaggio falaram sobre Webmaker e Appmaker e a importância de saber fazer a web em vez de simplesmente consumir a web. A palestra tocou em outro pilar da Mozilla que é chamado de Web Literacy que é a iniciativa de ensinar todo mundo como funciona a web para que as pessoas se tornem produtoras em vez de simplesmente consumidoras dessa nova mídia.

De Todos Para Todos

Conheça nossa cozinha, digo, Comunidade

Uma surpresa muito boa foi que de repente vagou um horário no período das comunidades (a.k.a. você deveria estar dormindo mas está acordado pq na CP ninguém dorme). Decidimos em conjunto que esse novo horário deveria servir para uma palestra para apresentar a Comunidade Mozilla Brasil para as pessoas. Nossa idéia era fazer algo com muito humor e improviso que mostrasse para as pessoas o que significa ser um Mozillian*. Pessoalmente acho que essa foi nossa melhor palestra e sem dúvida atraiu muita gente para nossa bancada.

Visite nossa Cozinha

Mozilla Appmaker

Das quinze pessoas que levamos para o evento, tres delas eram funcionários da Fundação Mozilla que trabalham no projeto mais maneiro do mundo, o Mozilla Appmaker.

O Appmaker é um sistema para criação de aplicativos móveis sem a necessidade do conhecimento de programação. Ele ainda está no inicio de sua caminhada e não atingiu todo seu potencial porém conforme ele for amadurecendo e sendo mais utilizado pelas pessoas se tornará sem dúvida uma força incrível rumo a democratização do processo de criação de apps.

Assim como o Microsoft Access tornou possível a criação de bancos de dados por pessoas sem o background de programação, o Mozilla Appmaker busca um efeito semelhante porém com a criação de aplicativos móveis.

Basta imaginar quantas vezes você e basicamente todo mundo que você conhece já pensou em algum programa que poderia existir para resolver algum problema do seu dia a dia porém a pessoa não possuía os conhecimentos necessários para tornar esse app realidade. A idéia por traz do Appmaker é um dia permitir a cada uma dessas pessoas resolver os seus problemas construindo seus próprios apps.

Mozilla Appmaker

Durante a CP além de mostrarmos o appmaker em uma super palestra do David Ascher que merece ser vista, realizamos um workshop de criação de componentes para o Appmaker com o Bobby Ritcher. Todo aplicativo criado pelo Appmaker é uma coleção de componentes, durante esse workshop buscamos ampliar a variedade de componentes disponíveis. O público do workshop foi bastante diversificado com programadores experientes e pessoas que não possuiam conhecimentos de programação. Os programadores foram guiados pelos processos de criação de componentes e os não programadores foram apresentados para o Appmaker, todo mundo ficou feliz.

Workshop

Hackathon de aplicativos para Firefox OS

Vencedores Hackathon

Assim como vários eventos recentes, realizamos durante a Campus uma hackathon de criação de aplicativos para Firefox OS. Os participantes tinham seis dias para criar seus aplicativos com tema livre. Durante esse período eles eram livres para vir a nossa bancada buscar ajuda, testar seus apps nos nossos dispositivos ou apenas conversar.

O fato mais surpreendente na minha opinião foi que tivemos um envio recorde de aplicativos, foram ao todo 38 aplicativos enviados. Durante o ano passado inteiro eu não vi nenhuma hackathon receber tantos apps assim. A segunda surpresa foi o nível dos aplicativos que foi sensacional. Recebemos alguns apps que estão prontos para irem fazer sucesso no Firefox Marketplace.

Todos os aplicativos que recebemos estão no nosso github da Mozilla Brasil em repositórios cujo nome começa com hackathon-cpbr7.

Algumas pérolas da nossa hackathon foram:

Circle Tetris

Circle Tetris

Esse jogo baseado em Tetris porém circular foi nosso grande campeão. Sério, é sensacional. Tem tudo para ser um sucesso com casual gamers no marketplace.

https://github.com/mozillabrasil/hackathon-cpbr7-circle-tetris

TTS Translator

TTS Translator

Infelizmente gifs animadas não tem som então nem gravei uma do TTS Translator. Esse programa pega uma frase escrita em uma língua, traduz e fala a tradução em outra língua. Isso mesmo você pode escrever em Português algo como "Onde fica o banheiro?" e mostrar para um Garçom em NY que ele vai ouvir em Inglês "Where is the toilet?" (ou algo parecido). Sensacional!

https://github.com/mozillabrasil/hackathon-cpbr7-TTS-Translator

TwitMemory

TwitMemory

Um jogo que pega os avatares dos seus seguidores no Twitter e monta um jogo da memória. Simples e criativo. Uma integração muito bem feita com APIs de redes sociais.

https://github.com/mozillabrasil/hackathon-cpbr7-twitmemory

Tivemos vários outros apps bacanas tais como o Photofilters e o Econobreja.

Novos voluntários

Como foi dito no início desse post, nosso objetivo principal era conseguir novos voluntários para a comunidade e nossas atividades serviam como chamariz. Ao final de cada atividade, nós chamávamos as pessoas para conhecer os mozillians na nossa já famosa bancada.

Tivemos um recorde de adesão durante a Campus Party com 35 novos Mozillians e iniciamos um processo de mentoria para melhor guiarmos esses novos voluntários pelos caminhos das pedras da Mozilla (a.k.a. ah ta no wiki). Detalhe que esse número de 35 novos Mozillians ainda deve aumentar pois não terminamos de processar todos os emails que enviaram para gente. Sucesso absoluto!

Atingimos nossa meta de conseguir novos Mozillians de diversas áreas do País. Daqui para a frente várias das nossas atividades serão muito mais fáceis e os novos membros já estão ajudando a comunidade e impulsionando a gente a novas vitórias. Neto e Qaiq (a.k.a. ousadia e alegria) merecem uma menção especial pois deram vida ao nosso mascote e foram o espírito da comunidade ao promover o melhor encerramento da Campus Party ever. Nossos demais novos membros que desde o começo já arranjaram coisa para fazer e colocaram as mãos a obra por uma web melhor.

Ações de Engajamento

Nosso super time de engajamento e redes sociais, Adriano Cupello, Luigui "Avenged Sevenfold Metal Universitário" Delyer, Lenno "Tá a 3km mas é um Boeing sim" Azevedo fizeram ações tão boas que deveriam ser estudadas em faculdades de marketing. Desde gincanas a installfests. Do fox passeando tirando fotos a colocar os novos Mozillians para ajudar. Todas as ações foram ótimas e essenciais para atingirmos os novos membros.

Agradecimentos

Tem gente demais para falarmos obrigado e se eu listar todo mundo esse post vai começar a parecer o monumento em São Francisco. Algumas pessoas fizeram além do que seria esperado ou necessário para ajudar a gente e merecem todo os nossos agradecimentos, entre elas, David Ruiz, Marcos Koga, Macarena Garcia, Guillermo Movia (já já vira Brasileiro), Marcia Zikan e José Luis de Genova. Todos nós sabemos que o Brasil não é lá muito organizado (muito cacique pra pouco índio) e é graças ao esforço de pessoas que acreditam na gente e na nossa missão que conseguimos fazer eventos maravilhosos como esse.

E claro ao nosso super time: Adriano Cupello, Lenno Azevedo, Luigui Delyer, Morvana Bonin, Maicon Ferreira, Carlos Valim, Ricardo Pontes, Ricardo Panaggio, Bobby Ritcher, David Ascher, Ben Moskowits, Guillermo Movia, Andre Natal.

Conclusão

A Campus Party é um evento muito especial para mim. Eu me tornei voluntário da Mozilla durante a Campus Party de 2013 e me alegrou muito ver o quanto nós conseguimos realizar ao longo do ano culminando na Campus Party 2014 com 35 novos voluntários, 38 novas apps, 8 palestras, 1 hackathon e 1 workshop. O mais importante é que esse evento foi organizado pela comunidade e em prol da comunidade. Mesmo com todas as dificuldades (a caixa com swag extraviou na Azul) e loucura que é o ambiente da CPBR, conseguimos integrar ainda mais nossos membros e criar um ambiente saudável para o crescimento de nossa comunidade.

Para onde vamos daqui para frente? Nós somos a Mozilla e nós vamos para onde for melhor para você.

;-)

Ajude a salvar o Torresminho

por André Garzia

Torresminho Galã

Era uma vez um gatinho assustado e magrelo. Batizado "Torresminho" (porque se criou na Rua Noronha Torrezão, em Santa Rosa), o bichinho um dia resolveu trocar o pneu de um carro em movimento.

Não deu certo. O motorista, bravo, não gostou do serviço e foi embora sem olhar para trás.

Tio Andre e tia Lili passavam na hora e recolheram o que sobrou do gatinho chorão-semi-moído para levar ao veterinário correndo.

Como a reforma do Torresminho ficou cara, eles resolveram pedir que vocês que ajudem a continuar essa história com um final feliz. :)

O que aconteceu de fato

O Resgate do Torresminho

Simples, estavamos eu e Lili voltando de carro pela Noronha Torresão quando vimos um gatinho deitado no meio da rua. Conseguimos desviar e paramos o carro para Lili buscar o filhote. Ela fez sinal para o carro que vinha atrás da gente desviar ou parar enquanto ela pegava o gato. A SUV ignorou e passou por cima do Torresminho e nem parou.

Pegamos o gatinho quebrado e ensanguentado e levamos para o Pet & Vet onde ele se encontra até agora.

A Vakinha

Assim que resgatamos o Torresminho e colocamos ele sob os cuidados da Pet & Vet fizemos uma Vakinha para juntar uma grana para garantirmos o tratamento dele.

Nossa Vakinha deu certo porém nós subestimamos o valor dessas coisas. Criamos essa campanha sem saber o qual era o estado dele e portanto não sabíamos quanto pedir. Acabamos pedindo o suficiente para cubrir os custos do primeiro dia de internação e os primeiros exames. Não foi o suficiente.

Conseguimos R$890 porém já gastamos mais de R$1000. Por isso estamos fazendo uma nova campanha agora que sabemos melhor o estado do Torresminho.

O Estado do Torresminho

Torresminho UTI

Após fazer vários exames (Raio X, Ultrasom) foi constatado que por dentro o Torresminho está bem porém ele está com a bacia e o femur quebrado e a para esquerda dianteira luxada. Ou seja, a bacia e o lado esquerdo do Torresmo estão quebrados.

O primeiro Raio X do Torresminho mostra um gato estraçalhado que não deveria querer se movimentar. A realidade mostra um gatinho muito diferente. O Torresminho levanta, tenta andar, quer brincar e quer carinho. Ele não pode nos ver que já quer ficar aninhado e começa a ronronar antes mesmo de encostarmos nele. Não só ele é um gatinho muito bonito como ele é super carinhoso e carente.

Queremos que o Torresminho se recupere de forma correta e para isso ele precisa sofrer uma cirurgia e talvez vire um gato ciborgue com plaquinhas de metal. Se ele não fizer a operação, ficará provavelmente manco, com uma pata mais curta que a outra provavelmente dobrada em L igual uma pintura de Picasso. A operação custa em torno de R$1500.

O Torresminho Precisa De Você!!!

Torresminho Apelando

Eu e a Lili estamos fazendo o possível pelo Torresminho porém não temos esse dinheiro, para vocês terem uma idéia, enquanto eu escrevia esse post, um funcionário da Sky veio aqui recolher o aparelho pois estamos cancelando a assinatura para cortar gastos. Então se estamos até cancelando a TV a cabo da para vocês terem uma idéia de como está complicado pagar pelo tratamento do Torresminho.

Você pode ajudar o Torresminho doando dinheiro através do link abaixo. Se você não puder contribuir de forma monetária para a recuperação do gato super lindo e fofo que ele é então pelo menos obrigue todos os seus amigos e inimigos a contribuir.

O PayPal aceita todos os tipos de cartão e outros trecos. Nos ajude a ajudar o Torresminho. Ele já perdeu umas 3 vidas sendo atropelado pela SUV agora ele precisa da gente para não perder as poucas que restam.

Andre & Lili

PS: Quem quiser confirmações sobre o estado do torresminho ou o envio de exames ou coisa semelhante, basta enviar um email para andre@andregarzia.com que eu mando.

Campus Party 2014

por Ricardo Pontes

E lá se foi mais uma edição da Campus Party.

Estive novamente presente nesse evento (já é minha quarta CP seguida) representando a Mozilla.  Mas esse ano foi diferente, pois além de fazer tudo o que já costumo fazer, eu tinha uma palestra na grade de comunidades.  Foi a primeira vez que palestrei na Campus Party.

Essa palestra foi em parceria com o amigo André Garzia e nós falamos sobre o Firefox OS. A palestra foi muito bem recebida e todos ficaram ainda mais interessado no sistema, mas eu acho que eu poderia ter sido melhor ao falar nesse dia… Dei a palestra com febre 🙁

Passado esse acontecimento, outras duas palestras surgiram para eu fazer no decorrer do evento. Uma porque apareceu um horário vago também em “comunidades” e outra porque um amigo não pode vir. Nós conseguimos esse horário que vagou graças a Macarena (obrigado Maca 😀 ) e todos os membros da comunidade tiveram a mesma idéia: vamos falar de como se envolver com a comunidade Mozilla. Dito e feito. Pra mim foi uma das melhores palestras porque não subiu só uma pessoa, mas cinco pessoas da comunidade para falar sobre o assunto. Ouvimos diversos comentários positivos e isso me animou ainda mais. Na imagem abaixo dá pra perceber minha felicidade em fazer parte disso 🙂

Mozillians

Minha última palestra aconteceu na sexta-feira e foi para cobrir uma pessoa que infelizmente não pode vir, mas compareceu por Skype – obrigado Ralph. O assunto foi sobre o SUMO. Novamente alguns membros da comunidade subiram no palco para provar que não somos um ou outro apenas… somos uma comunidade e queremos crescer cada vez mais.

Também tivemos palestras e workshops sobre Appmaker e Webmaker com o pessoal da Mozilla Foundation, Bobby, David e Ben e um keynote no palco principal com Andreas Gal falando sobre o Firefox OS.

E por falar em Firefox OS, resolvemos fazer um hackathon para criação de apps para o sistema. Demos quase uma para o pessoal ter a ideia e criar o app.
No sábado foi o encerramento desse app e eu fui chamado para ser uma das pessoas a avaliar esses apps. Foi uma tarefa difícil pois o pessoal tinha desenvolvido muita coisa boa. A premiação foi feita na noite de sábado, no palco principal.

Os vencedores do hackathon foram:

1º – Circle Tetris – Eduardo Costa e Guilherme Herzog
2º – TTS Translate – Adriel Café
3º – EconoBreja – Jean Wagner Kleemann
4º – TwitMemory – Jonathan Querubina

5º – PhotoFilters – João Roberto Borges

Todos os aplicativos que participaram do hackathon estão no nosso Github.

Tivemos outras atividades relacionadas a Mozilla e também tinha a Fox presente no evento para animar ainda mais aquele público. Inclusive a Fox fechou o evento dançando a sua música “What Does The Fox Say?” ou simplesmente “The Fox”.

Também tive o prazer de conhecer e rever diversos amigos que só encontro em eventos ou raramente por aí. Toda o pessoal da Mozilla Brasil, de norte a sul, que só vejo em eventos ou reuniões… Vocês são fodas. Valeu Adriano, André, Maicon, Panaggio, Coragem, Morvana, Lenno, Guillermo, Natal, Luigui, Fábio… (desculpe se esqueci de alguém). Gostei de conhecer a galera do Uruguai do Norte, ou Rio Grande do Sul, que foram os parceiros na Campus B por quase todas as noites. Galera gente boa que jamais vou esquecer.  E também de rever uns amigos lá de Minas Gerais. Outra parceira de Campus B foi a Tati Alencar… Até a próxima 😉

Também tive o prazer de conhecer o Guilherme; mais conhecido por Torto. Um cara que entrou agora para a comunidade e já posso dizer que somo parceiros de “beras”.
O Qaiq a.k.a “Thiaguinho” foi a revelação do campeonato. Rapaz alegre, gente fina e que não tem tempo ruim pra ele. Esforçado pra cacete… vai longe. Jonathan, Neto, etc… São muitos novos nomes e minha memória não ajuda.

E para finalizar, adorei ter encontrado com a Mayumi novamente. Uma grande amiga. Uma pequena grande guerreira que adimiro muito. Conversar com ela foi uma das melhores coisas que pude fazer, dentre as diversas outras que fiz.

Bom, é isso… esse post já está ficando grande, eu escrevo mal e minha cerveja não pode esquentar.

Pra fechar… só tenho a dizer obrigado a todos vocês que fizeram dessa Campus Party um evento foda pra caralho.

Ano que vem estaremos de volta fazendo mais barulho.

MO-MO-ZI-ZI-LLA \o/

Vídeos de algumas palestras

 

Fim de ano e a mozilla

por Antonio Ladeia Antonio Ladeia

Bom dia e boas vibrações.

Fim de ano é sempre um período complicado, mas também bastante legal. Estava com uns planos legais para esse fim de ano, tirar férias do estágio por 15 dias para focar no TCC, fazer um batismo de mergulho… mas eu não sou o melhor cara para fazer planos, normalmente acontecem imprevistos e acabo não fazendo o planejado.

Enfim, este fim de ano, está sendo mais corrido que o de costume, pensei que ao fazer o 5 semestre teria mais folga dos professores por causa do TCC, doce ilusão… Estou tendo de correr com 06 matérias, TCC, estágio (que é multi linguagem, então tenho que estudar várias), freelas (03 no total), e ainda ter tempo para meu grupo de RPG e minha família, eu até consigo conciliar bem, mas como se já não bastasse surgiu a menina dos meus olhos…

Vou deixar claro aqui, eu adoro javascript, acho que é minha linguagem favorita, este ano estava organizando junto com outros amigos, o evento BahiaJS, enfim, outra coisa que aconteceu esse ano foi me decepcionar com o google pela questão da privacidade, eu que era bem entusiasta, acabei deixando os produtos deles de lado, e aí entra, larguei o chrome e voltei para o mozilla firefox, e aí descobri a comunidade maravilhosa por trás da mozilla, e novamente me apaixonei.

Dentro dos produtos deles, um me chamou  bastante a atenção, o Firefox OS, sistema operacional para smartphones de baixo custo para serem a porta de entrada do próximo milhão de pessoas a essa área, e ai resolvi estudar e já comprei meu aparelho de testes.

Bom, não dá para deixar o chrome totalmente de fora, afinal, hoje ele é um dos navegadores mais usados, então as páginas para a web devem ser compatíveis com ele tb (o IE eu nem testo mais).

Então eu me apaixonei pelo FireFox OS pela sua liberdade, valores, sua contribuição com a comunidade e sua tecnologia, pretendo assim que possível, brincar mais com a plataforma, fazer mais alguns testes, e inserir meu primeiro app na marketplace.

Pretendo escrever mais um post essa semana para falar das primeiras impressões com FireFox OS, por enquanto eu fico por aqui.

Vivendo no futuro

por André Garzia

Futurecom

Já passou algum tempo desde o final da Futurecom e agora com a cabeça mais fresca eu posso rever esses dias tão importantes onde lançamos o Firefox OS. A Futurecom é o maior evento voltado para empresas de telecomunicações e Internet da América Latina. Este ano ele aconteceu no Riocentro e teve a presença de basicamente todo mundo que atua nesse segmento (fabricantes, operadoras, provedoras de serviços, etc).

Em parceria com a Telefonica VIVO nos montamos uma área destinada ao Firefox OS no stand. Tinhamos quatro aparelhos para demonstrar o sistema, dois Alcatel One Touch Fire e dois LG Fireweb. Tinhamos a raposa correndo pelo evento também e algum swag na forma de adesivos e moleskines genericos. Nosso espaço era compartilhado com outras iniciativas da Telefonica VIVO como por exemplo o Zuum que é um cartão pre-pago Mastercard e forma de pagamento de celular para celular e o Thinking Things que é um sistema M2M bastante interessante com várias aplicações possíveis.

Futurecom

A bolsa mais fofa da Futurecom

Nesse post vou falar um pouco sobre nossa caminhada esse ano e o feedback dos últimos dias desde o lançamento.

De onde viemos

Eu sou um membro recente da Comunidade Mozilla então só posso falar do que aconteceu desde quando eu entrei e mesmo assim sob o meu ponto de vista então não tomem isso aqui como um material de referência histórica ou coisa semelhante.

Em Dezembro de 2012, a LiLi (a.k.a. melhor esposa do mundo) me perguntou se eu iria na Campus Party pois o Buzz Aldrin estaria presente e ela sabe que eu sou pela saco de programas espaciais um entusiasta do avanço científico fã do programa espacial americano (ps: prefiro os russos). Temendo que ele voltasse para a Lua em breve e desistisse da Terra para sempre, decidi ir no evento e foi pesquisando sobre o que mais aconteceria em Sampa na mesma época que descobri que iria ter um Firefox OS App Day.

Eu não tinha contato nenhum com a Mozilla até então tirando minhas doações a cada seis meses e usar o Firefox. Eu estava intrigado com esse lance de Firefox OS pois minha plataforma favorita, o WebOS tinha morrido nas mãos da HP. Como os sistemas tinham propostas semelhantes, construção de apps com HTML5, eu decidi aproveitar que já estava indo ver o astronauta para ir no tal evento.

Não tenho palavras para descrever o que aconteceu desde aquele dia. Durante o App Day eu fiquei super curioso com o sistema e aprendi um pouco. Dois dias depois começava a Campus Party e como eu tinha ido sozinho, resolvi juntar com a galera legal da Comunidade Mozilla e participar da Hackathon. Com o passar do evento fui passando de competidor para ajudante das pessoas. Como ja tinha ido no App Day e lido a documentação, comecei a ajudar quem estava começando ali e a experiência foi maravilhosa. As pessoas que conheci lá no evento foram fundamentais na minha decisão de virar um Mozillian.

Tem gente que tem duvidas quanto a eficácia da Campus Party para recrutamento de voluntários, bom basta dizer que eu, Maicon, Luigui e Adriano que somos todos membros ativos da comunidade viemos da Campus Party ou graças a ela. Após a Campus Party, eu decidi que eu tinha que fazer o possível para o Firefox OS dar certo pois eu não podia ver um destino semelhante ao WebOS novamente rsrsrs. Comecei a me envolver mais com a comunidade e entrei para o nosso time de voluntários para o lançamento do Firefox OS no Brasil (a.k.a. o tal launch team). De lá para cá foram um sem número de eventos palestrando para desenvolvedores. Fizemos de tudo entre os momentos mais memoráveis estão:

  • Ficar encaixotando dezenas Geeksphone Keon em um quarto de hotel pois as embalagens vieram erradas.
  • Encontrar pessoas maravilhosas que me inspiram a cada dia.
  • Comer sobremesas no launch camp graças a pilha alheia.
  • Viajar por vários lugares do Brasil conhecendo pessoas sensacionais.
  • Programar, revisar apps, treinar vendedores, distribuir swag, apagar incêndio, animar festa de criança...
  • Escrever um livro, plantar uma árvore.

O importante é que o nosso launch team não era nada mais nada mesmo que uma pontinha do iceberg pois existem milhares de pessoas envolvidas entre voluntários e funcionários de empresas parceiras e da Mozilla trabalhando em conjunto para que isso tudo desse certo. A comunidade inteira está e sempre esteve por tras apoiando tudo independente de launch team ou qualquer coisa.

Launch Team

Entre a Campus Party e a Futurecom, meu foco foi difundir o Firefox OS para desenvolvedores. Acho que conseguimos deixar bastante gente curiosa nesse meio tempo e nossos eventos tiveram respostas muito positivas.

Fox

Aonde estamos

Então que a Futurecom chegou e com ela o lançamento para o público geral. Confesso que eu estava morrendo de medo. Minha maior fonte de terror era que as pessoas confundissem a proposta e achassem que estavamos tentando brigar com os iPhones e Galaxy S4 da vida. Minha segunda fonte de desespero era a falta de alguns aplicativos chaves (a.k.a whatsapp). Foi conversando com outras pessoas da Mozilla que eu aprendi que isso não importava pois dado o público alvo e a proposta, isso tudo seria secundário, os apps iriam vir cedo ou tarde. E o terceiro cavaleiro do apocalipse era pra mim o fato que temos fábricas de Android no Brasil capazes de cuspir aparelhos a preço de banana ou seja competir no preço era complicado demais aqui enquanto em outros países era muito simples.

Time

Um a um esses medos foram sendo sanados durante e após a Futurecom. O que aconteceu durante as demonstrações do aparelho para membros da industria e do público em geral foi uma resposta absurdamente positiva. As pessoas entendiam o telefone de primeira, gostavam da performance e se surpreendiam com os specs e o preço baixo. O que mais eu poderia desejar? Os feedbacks estavam ótimos. Eu percebi que tinhamos um sucesso em mãos quando as pessoas tentavam comprar os telefones de demonstração ("tem pra vender aqui? aceita cartão?").

Meu medo em relação ao Android e comparações está caindo por água abaixo. Por exemplo acabaram de anunciar que o Galaxy Nexus não vai receber o Android KitKat 4.4. É exatamente esse tipo de coisa que estamos tentando evitar com o Firefox OS. Queremos um aparelho que vai fazer sim updates, que você pode manter sem ter que comprar um novo todo ano. Os apps estão chegando, a whatsapp anunciou que está portando e o preço dos aparelhos está super competitivo.

Um ponto alto da Futurecom para mim foi ver equipes inteiras da TIM e da Oi virem ao stand para saber mais sobre o sistema e sairem super impressionados. Eu vejo um futuro muito promissor para nossa jovem plataforma livre.

Os telefones estão a venda nas lojas da VIVO. O estoque ainda está sendo preenchido nos diversos locais do Brasil porém em Rio e São Paulo é relativamente fácil conseguir um aparelho.

Telefones

Para onde vamos

Tem gente que pensa que após lançar um produto o trabalho acaba, que é o final da história. A verdade que tudo que aconteceu foi só o começo e que agora começa a parte dificil mesmo que é melhorar a plataforma a cada dia para suprir as necessidades dos usuários e lidar com o público em geral. Precisamos de apps e de mais alguns recursos no sistema mas isso não quer dizer que nossa plataforma é falha. O Firefox OS 1.1 é uma ótima plataforma, um inicio muito superior as primeiras versões das plataformas concorrentes.

Agora é treinar os vendedores para saberem como falar sobre o novo sistema. Conseguir mais desenvolvedores e mais apps. Educar as pessoas em geral para os beneficios do software livre e a missão da Mozilla.

Fox e Lenno

Tem muita gente reclamando que o preço do LG ta caro. Que o sistema não tem a app X ou Y. Que falta a funcionalidade Z. Que o iPhone 7 vai fazer café e inverter a gravidade. Tudo que eu consigo pensar é que estamos vivendo no futuro. Que um grupo diverso de pessoas composto por funcionários de diversas empresas tais como Mozilla, Telefonica, LG, Alcatel e milhares de voluntários do mundo inteiro conseguiram se juntar e lançar uma plataforma que é de fato livre e está nas prateleiras das lojas. Que o sonho de trazer um smartphone com sistema aberto e performance boa a um preço razoável para o mercado e assim possibilitar que toda uma fatia importante da população possa ter acesso a internet se tornou realidade. Enquanto uns procuram pelo em casca de ovo, eu to feliz pra caralho com o omelete.

Para onde vamos? Nós somos a Mozilla e nós vamos para onde for melhor para você.

;-)

Conhecendo o novo Nitrous.IO

por André Garzia

O Nitrous.io é um novo PaaS para desenvolvimento de aplicativos web em Node, Django, Rails e Go. Ele é diferente de um Heroku da vida pois não fornece somente o servidor mas sim um ambiente integrado online de desenvolvimento que é especialmente útil para quem esta trabalhando com colaboradores.

O foco do Nitrous.io é ser um ambiente colaborativo de desenvolvimento web, ou seja, não é para um ambiente para o deploy final do seu projeto, para isso continue utilizando os Linodes e Herokus. Acredito que para um projeto pequeno desses que é utilizado pelos seus amigos ou pelo seu departamento na empresa, o deploy do nitrous.io atende sim.

Diferente da maioria dos PaaS, o Nitrous.io funciona com o conceito de pontos N2O. Cada novo usuário começa com 150 pontos N2O e pode utilizar esses pontos para montar sua máquina virtual (eles chamam de box). Como o esperado, os 150 pontos são o minímo necessário para montar um box com 384 mb de RAM e 750 GB de HD. Esses valores podem parecer modestos mas lembrem-se, o foco é o desenvolvimento. Para aumentar os specs da sua máquina você precisa gastar mais pontos N2O e para conseguir mais pontos você pode cumprir umas tarefas tais como tweetar e dar like no Facebook e você também tem um link de afiliado que você pode espalhar por ai e cada pessoa que entrar no sistema via o seu link lhe da um bonus de N2O. Por exemplo, neste artigo eu estou utilizando o meu link de afiliado, se vocês assinarem o Nitrous.io por esse link, eu ganho uns N2O para utilizar no meu box.

Como foi dito acima, os boxes ja vem preparados para desenvolvimento com Node, Django, Rails ou Go. Como eu não entendo nada de Django ou Rails, vou mostrar como utilizar o Nitrous.io para desenvolvimento com node mesmo visto que meu conhecimento de Go ainda é bem básico (Go é lindo).

Quem quiser acompanhar o artigo pode se registrar no Nitrous.IO com esse link aqui Nitrous.io.

Vamos ao primeiro passo agora, a criação do box...

Criação do ambiente de desenvolvimento

Criação de novo box

Vamos começar criando um novo box para desenvolvimento de apps com Node.js

Novo box para Node JS

Podemos escolher a região onde nosso servidor vai ficar e aumentar as especificações do mesmo utilizando os nossos pontos N2O extras. Eu tenho 15 pontos extras nesse shot pois fiz o tweet e o like. Após clicar para criar o box, vamos para a tela mais bonita de criação de servidor que eu ja vi. Resolvi postar um shot so para mostrar o cuidado que eles tiveram.

Criando o novo servidor

Quando o medidor completar, vamos para a IDE web de desenvolvimento

Desenvolvendo com o Nitrous.IO

O ambiente de desenvolvimento do Nitrous.io é muito bacana. Possui um terminal de verdade, um editor colaborativo, um chat para os colaboradores e uma arvore de arquivos.

IDE do Nitrous.io

Nesse exemplo, em vez de construir um app do zero, estou utilizando o terminal para clonar um repositório do git. Após mais umas mudanças nesse código fonte (que eu não tocava a eras, foi feito para uma Hackathon) estou pronto para rodar o app. O Nitrous.IO, podemos iniciar o app com o comando:

node app.js --boundHost 0.0.0.0

Como visto em http://help.nitrous.io/preview/. Depois no menu preview podemos selecionar a porta que estamos rodando e o app abre em outra janela. Abaixo posto mais um shot do ambiente de desenvolvimento para vocês terem idéia de como ele se parece depois de um pouquinho de dev.

Web IDE rodando no Nitrous.io Web IDE rodando no Nitrous.io

O app esta rodando em outra aba tranquilamente porém se fecharmos a Web IDE, o app fecha também. O jeito de não ter esse tipo de inconveniência é utilizando algo como o forever ou o PM2. Eu pessoalmente acho o PM2 mais interessante e é esse que eu vou utilizar. Quem quiser saber mais sobre o PM2 pode seguir este link aqui: Goodbye Forever, Hello PM2. O PM2 faz clustering, monitoramento e agregamento de logs sozinho. Vale muito a pena conhecer. Para ligar o meu app com o PM2, eu utilizo:

pm2 start app.js -i max

Caso o server tivesse mais de um core, o -i max faria o clustering de acordo com o número de cores, no caso do Nitrous.io é um só mesmo. Outros comandos legais são o pm2 monit para monitorar o uso de recursos como um HTOP e o pm2 logs para ver os logs agregados. No shot abaixo eu mostro os dois rodando na Web IDE do Nitrous.io com o terminal maximizado.

O PM2 é tudo de bom O PM2 é tudo de bom

Agora com o app rodando via PM2, eu posso fechar a Web IDE sem medo e meu app continuará rodando sem problemas.

Conclusão

O Nitrous.io surge como uma alternativa muito interessante para desenvolvimento colaborativo. É uma ótima opção para quem utiliza Chromebooks ou tablets e quer desenvolver on the go (com auxílio de um teclado óbvio). O mecanismo de pontos N2O é uma novidade legal e adiciona uma maneira legal de utilizar somente os recursos que você precisa.

Eu não testei o desenvolvimento em Go, Rails e Django mas eu imagino que seja igualmente fácil. Quem quiser testar o Nitrous.io basta se registrar la gratuítamente. Se você for fazer isso, considere utilizar o meu link afiliado aqui pois assim eu ganho mais uns pontinhos para brincar.

Lembrando sempre que o Nitrous.io é focado em desenvolvimento e testes de web apps. Quando seu app estiver pronto, é mais prudente fazer o deploy em um Heroku ou outro PaaS ou VPS da vida.

Mozilla Summit 2013 – Toronto

por Ricardo Pontes

No começo do mês fui para Toronto participar do Mozilla Summit.

O Summit é um evento da Mozilla que reúne funcionários e voluntários em um local para conversarem sobre a web aberta, tecnologias da Mozilla entre outras coisas.

Esse ano o evento cresceu e aconteceu simultaneamente em três lugares do mundo: Toronto, Santa Clara e Bruxelas.

A maior parte da comunidade brasileira atendeu ao Summit Toronto e o que eu gostei de ver foram os rostos novos que estão empenhados em colaborar com a Mozilla.
Posso estar errado, mas acredito que um ou outro que estava lá não vai ser tão empenhado como os outros e nem colaborar por muito tempo (ou nada), mas isso não vem ao caso. É só uma opinião.

No evento pude participar de sessions sobre diversos assuntos, desde ‘social media’ até ‘o futuro do Firefox OS’. Infelizmente não participei da palestra do amigo Leo Balter sobre DRM pois estava em reunião. Mas o feedback que me passaram deu a noção de que foi excelente. A propósito, trazer esse assunto para o Summit foi uma grande ideia do Leo. Parabéns cara.

Sobre os keynotes, nem preciso falar nada né. Todos foram ‘fucking awesome’.

Outra coisa que achei incrível nesse Summit foi a ideia dos brasileiros de fazer um app para o Firefox OS. Não só tiveram a ideia como a executaram. Parabéns aos envolvidos: Bernard, Adriano, André, Luigui, Giovanni, Clauber entre outros. Vocês são fodas 🙂
Chatty:
https://marketplace.firefox.com/app/chatty

Tivemos bastante integração com o pessoal da Mozilla Hispano. Isso sempre acontece nos eventos e sempre é muito bom rever os amigos latinos. Essas pessoas são muito empenhadas e animadas.

Tivemos algumas festas, karaoke, pub crawl super-hero (valeu She-Ra haha) e uma festa onde o título poderia virar filme da sessão da tarde: “Socorro, o DJ sumiu”.
Brincadeiras a parte, valeu pelo som Luigui.

E para finalizar, não sou um dinossauro da MozBr (ainda a chamo assim) igual ao Clauber, Mário e Dea, mas sei que estou me tornando um deles por estar a bastante tempo nessa comunidade lutando por uma web aberta. E isso é gratificante.
Só tenho a agradecer a esses dinos citados acima por não me deixarem desistir e sempre lutar por aquilo que acredito e também agradecer ao Vinicius Medina, o cara responsável por me apresentar tudo isso. Hoje ele já não faz mais parte da MozBr, mas foi uma peça fundamental para que tudo isso existisse.

E claro, obrigado Luciana por nos aguentar 😀

Algumas fotos que tirei estão no meu Flickr.

Caso eu lembre de algo, adicionarei ao post (ou revisarei).

15 anos de uma web melhor

por Ricardo Pontes

15 years of a better web

E a Mozilla completou 15 anos 🙂

Esta semana estamos comemorando o 15 º aniversário da Mozilla. Como você pode nos ajudar a comemorar 15 anos de uma Web melhor?

Leia mais sobre isso
Confira em https://www.mozilla.org/pt-BR/contribute/ os 15 fatos sobre a Mozilla, as nossas maiores metas e como você pode participar do projeto Mozilla. Você também pode ler as reflexões próprias da Mitchell Baker sobre os últimos 15 anos.

Confira abaixo o post em inglês:

This week we’re celebrating Mozilla’s 15th anniversary.  How can you help us commemorate 15 years of a better Web?

Read about it
Check out www.mozilla.org/contribute to read 15 facts about Mozilla, our biggest milestones and how you can join the Mozilla project. You can also read Mitchell Baker’s own reflections on the past 15 years and a look ahead to what’s next for Mozilla. Go here for a more in-depth look at the history of Mozilla and our 1998 origin.

Tweet your #Webstory
Starting today, the @Firefox and @Mozilla Twitter accounts will be telling our #Webstory by posting 15 facts about Mozilla. We invite you to join in and tell your own #Webstory, too. Give us a tweet, an image or a video about how you’ve contributed to 15 years of Mozilla, what Mozilla and Firefox mean to you, or a memorable moment you’ve had on the Web. Be sure to post on Twitter with the hashtag #webstory. We’ll be retweeting and responding throughout the day.

Make your #Webstory
Tell your own #Webstory with one of our Webmaker projects. Make a list of your own 15 favorite things about the Web, or make a video telling us about your first experience with the Web, and what you want it to look like 15 years from now.

Thank you to everyone who’s helped us make the Web better along the way. The success of our mission depends on participation from people like you. Find out how you can get involved or support Mozilla to help make a difference in the lives of users everywhere for the next 15 years – and beyond.

(fonte: Mozilla’s blog)

Eu me orgulho de ter feito parte dessa história. Espero continuar ajudando por mais 15 anos 🙂

Let’s rock!!!
The web is the platform \o/

Mozilla in MWC 2013

por Ricardo Pontes

This post is a little story about my first trip to Europe to be able to do what I like best: represent Mozilla and its mission at Mobile World Congress (MWC) – the biggest event on mobile technologies in the world.

Were invited 100 direct employees from Mozilla and another 5 Mozilla Reps to join the MWC.

The volunteers were Arturo (Venezuela), Gloria (Colombia), Nukeador (Spain) and Willyaranda (Spain) and me.

Mozilla RepsMozilla Reps – Photo by Nukeador’s blog

I leave Brazil on my birthday (February 21) to spend an intense week in Barcelona working on Mozilla’s booth.

Months before the event we had to start online training with the team at Mozilla about how to talk about Firefox OS. These trainings are essential if everything went perfect. The staff, as always, was excellent and always answered any questions that we had.

A day before the MWC begins, all were taken to Fira Gran Via to the recognition of the booths and the latest training. Dan commanded that part. He is an amazing guy and a lot of patience and attention to deal with everybody.

Day 25 came and opened the event. I was excited and nervous at the same time. Nervous because I knew I would have to train more my English and Spanish. But after a while everything was going well and was general understanding me.

Everyone had an schedule of where would stay. I started the first day on the Telefónica booth talking about Firefox OS.

The next day, in the ZTE booth, I met many Asians interested in the project. This booth was a very busy and I hardly stopped talking for a minute there (so did the booth of Mozilla).

In the following days, I was only in the main booth at Mozilla. A beautiful booth for a sign.

Mozilla BoothMozilla Booth – Photo by Mozilla EU

There were people from various companies wanting to know more about the OS and why that Mozilla was entering this market.

The world’s press was also interested in knowing more and writing material for their respective websites/portals.

I also met people from Brazil (press, universities, companies) that came to me to talk about the project and about possible partnerships and events in Brazil talking about Mozilla and Firefox OS. Some of these Brazilians came to talk to me because Luciana, who is also Brazilian, referred me to them.

I managed to learn a lot more about Mozilla and also made ​​many important contacts for me and for the Foundation.

I went back to Brazil performed and with a sense of accomplishment. And also with much work still to be done here 🙂

I greatly appreciate everyone who helped and supported me in this mission. Whenever they need my help, just call me I will do it with pleasure.

Thank you Mozilla Reps, Brian, Shez, Ali, Luciana, Mary, Dan, Mitchell, Robert Heilmann, David, Marcia, Mike, Diana, and all persons other than quoted here. All of you were very important to me.

See you soon.

Photos from MWC:

http://www.flickr.com/photos/ricardopontes/sets/72157632908198108/

http://www.flickr.com/photos/king-molan/galleries/72157632868466253/

Thunderbird Up For Grabs

por Clauber Stipkovic cstipkovic

[pt-BR]

Escolha uma!

Se você sempre quis contribuir com o Thunderbird, esta é sua chance! [1]

A Mozilla lançou o programa Thunderbird Up For Grabs. A idéia é muito simples: há uma infinidade de funções que gostaríamos de acrescentar aos planos do Thunderbird, mas atualmente não dispomos de recursos para concluí-las. Então decidimos colocá-las em um repositório aberto, para que qualquer um possa escolher uma e implementá-la. Ao fazer isso, você estará trabalhando lado-a-lado com os membros da equipe do núcleo do Thunderbird, que irá apoiá-lo e orientá-lo ao longo do caminho.

E lembre-se, esse não é um assunto somente para desenvolvedores. Qualquer pessoa pode contribuir com suas próprias habilidades: design visual, localização, garantia de qualidade, testes, documentação… Esta é sua oportunidade para fazer a diferença e melhorar ainda mais o Thunderdbird.

Se você sempre quis contribuir e não sabia por onde começar, esta é a sua chance.
Então vá e escolha uma!

[en-US]

Choose one!

If you always wanted to help with Thunderbird, this is your chance! [1]

Mozilla released Thunderbird program Up For Grabs. The idea is very simple: there are a lot of functions that we would like to add in Thunderbird plans, but currently we does not have the resources to complete them. So we decided to put them in an open repository, so that anyone can pick one and implement it. By doing this, you will be working side by side with members of the Thunderbird core team that will support you and guide you along the way.

And remember, this is not a matter only for developers. Anyone can contribute using their own skills: visual design, localization, quality assurance, testing, documentation … This is your opportunity to make a difference and improve further Thunderdbird.

If you always wanted to contribute and did not know where to begin, this is your chance.
So go and pick one!

[1] – http://blog.mozilla.org/thunderbird/2012/05/up-for-grabs/